Pular para o conteúdo principal

Mazaki no Bouken 08 - limite de sobrevivência

Oieeeee, mais um capítulo de Mazaki no Bouken aqui no blog!

Em primeiro lugar, gostaria de agradecer quem tem acompanhado e comentado os capítulos do MnB. Valeu ai Hikarun, Peke-kun, Kaoru, Gyabbo e Lawliet_Death! Vocês ajudam a fazer a alegria da pequenina equipe que trabalha no Mazaki no Bouken e com certeza, podem acreditar que também ajudam a essa constante atualização =)

Mas, falando do capítulo de hoje, vamos ver uma cena diferente das anteriores. Dessa vez Mazaki será obrigada a testar todo o poder do seu ki para suportar a convivência com uma pessoa completamente alheia e contrária a cultura moderna ou, principalmente otaku. Será que ela vai sobreviver a isso???

Só lendo pra saber, então.... boa leitura!

Mazaki no Bouken 08 - limite de sobrevivência

Apesar de não ter sido contato antes, na verdade Mazaki more numa casa de estudantes, no "Distrito R", a cidade mais "otaku parada" de toda a região, como ela chegou lá é algo a ser explicado melhor em outra estória, pois este capítulo de hoje fala na verdade sobre o desafio de Mazaki para conseguir conviver com todos os moradores da república.

- Buu.... melhor eu acordar logo antes q fique muito tarde.... - resmungou a garota a certa altura da manhã, ainda deitada e coberta até o pescoço, estava com uma grande cara de sono.

Porém o silêncio agradável da manhã foi subitamente destruído por algo que, apesar de não parecer nada, deveria ser uma música.
"MAS EU AMO A MINHA VAQUIIIIIIIINHAAAAAAAAAAAAAAA"

- AIEEEEE - berrou a otaku pulando na cama quase tendo um ataque, enquanto a música continuava.

"PORQUE A MINHA VAQUIIIIIIIIINHA DAAAAA O LEIIIIITEEEEEE"

- Mas q.................. O.O *quase morrendo* Porque todos os dias tem q ser assiiiimmm??? T.T

"A VAQUIIIIIIIIINHAAAAAAA"....

*Três horas depois*

- Soushite kizuita toki ni...... - cantava feliz Mazaki ao terminar de tomar mais um de seus costumeiros cafezinhos na cozinha*sabe como é, ela também é programadora, então é viciada em café*

- Mas que coisa é essa que tá cantando???? - horrorizou-se a garota que estava fazendo comida.

- Er..... Cowis, é uma das minhas músicas favoritas de anime ^.^ - respondeu a nerd-otaku cabeçuda.

- Ani-quê?

- Err..... do Japão.

- Credo, coisa mais esquisita, eu ein... - riu-se com um ar de deboxe a outra.

- ......


*Mais duas horas depois*

Mazaki passa pela sala para ir até a porta buscar sua revista de tecnologia da qual era assinante (e não é que a garota lê algo além de mangá e legenda de anime!):

- Oh! Uma reportagem sobre a Cloud Computing!! Quero só ver o que eles vão falar! - comentou em voz alta sem perceber.

- Ein? - perguntou Cowis comendo um lanchinho enquanto olhava a tv.

- Cloud Computing Cowis, o tal "novo paradigma" da computação que mais tá parecendo um barco furado com nome bonito, sabe, pra tudo ser feito através da web. - respondeu Mazaki empolgada em falar de assuntos de tecnologia.

- Ein? Que trrroço mais esquisito, eu só uso o computadorr pra ficar no NSM mesmo, além de olharrrr os orkut dos gatos da cidade. Coisa mais esquisita que fica falando ai.....

- .....

*Quatro horas depois*

- Essa não.... - comentou Mazaki olhando para a pia da cozinha, onde ia depositar o copo onde tomara mais um café a tarde. Estava bem lotada de louça suja. - Quem será que fez essa bagunça.....? ^^''

- EU NÃO FIZ NADA DISSO!!!!! - berrou Cowis aparecendo com um prato de lanche vazio, e já se preparando para fazer o próximo. - EU NÃO SEI QUEM É QUE FICA SUJANDO TUDO E NEM LIMPA...... - comentou com um tom arrogante.

- er..........("não precisa ficar..... falando tão alto...") - sussurrou Mazaki.

*No dia seguinte*

- AHHHHHHH, vou pirar Sechan!!! Aquela garota é CHATA DEMAISSSSSSSSSS!!!

- Tá, eu concordo que tem limite pra tudo mesmo ^^''' - admitiu Sechan que, por frequentar a república para trabalhar no mangá que estava fazendo com Mazaki e também para as sessões de animeke, conhecia bem o estilo de Cowis.

- Eu sou paciente, mas num vou aguentaaaaaaaar.... @.@

- Calma ^^'''''

Elas estavam na verdade à mesa de Mazaki e se preparavam para começar mais um capítulo do mangá:

- Tá tá, esquecendo isso, vamos ver essa estória! - disse a garota de óculos se animando ao puxar os papéis com rabiscos que tinha preparado.

- É isso aí! - Sechan puxou o lapís para começar a fazer os esborços do capítulo.

Porém neste momento, algo soou muito mais alto que a musica que escutavam discretamente.

"EU AMO TIRARRRRR O LEIIIIITE DA MINHA VAQUIIIIIIIINHHAAAAAAA"

- o.O'''''''''''' - Sechan

- Noooooo, eu não mereçoo...... T.T

"POIS ÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉ CUIDANDOOO DA MINHA VACA QUE EUUUUUUUU"

*END*


Por favor, nada contra as vacas, elas são legais, mas lá no pasto delas =)

Comentem, seja para elogiar ou xingar, estamos esperando!
Matta ne!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

UQ Holder - o novo mangá de Ken Akamatsu começa com tudo!

A estréia de UQ Holder, nova obra de Ken Akamatsu se deu no mês de agosto deste ano de 2013 e foi cercada de grande expectativa: desta vez o mangaká tinha a intenção clara de fazer um mangá de ação desde o princípio.
Talvez no Brasil o trabalho de Ken Akamatsu não seja tão reconhecido quanto poderia. Sua imagem é muito marcada pelos fanservices de Love Hina. Muitos sequer chegaram a ler sua obra seguinte e de maior sucesso comercial: Mahou Sensei Negima. O plot de um menino cercado de 31 garotas também ajudou a aprofundar o preconceito de leitores que (no meu ver pessoal) parecem valorizar demais a sexualidade nos mangás, esquecendo de analisar outros aspectos como a comédia, e, principalmente, a qualidade dos personagens.


Ken Akamatsu é um mestre em criar personagens cativantes e Negima foi um grande sucesso quando conseguiu mesclar a comédia, esses personagens apaixonantes e uma dose de ação crescente. Lutas muito bem desenhadas estão nas páginas da obra de forma cada vez mais cons…

Sobre o que fala Suzumiya Haruhi, afinal?

Suzumiya Haruhi é uma série de light novels que já conta com 10 volumes e o suspense se irão haver novas publicações ou não. A história ficou mais famosa quando se transformou em anime e então a franquia caiu no gosto do público otaku pelos seus clichês cômicos, personagens carismáticos e uma dancinha viciante para viralizar. Porém muitos acabam julgando que a obra não passa de um entretenimento barato para otakus e que não possui nenhuma mensagem intrínseca. O que é um erro e eu vou dizer o motivo:

Qualquer obra, por mais comercial e batida que seja, pode conter em si uma mensagem, talvez supérflua, talvez profunda, mas não é por causa de questões visuais ou estilísticas que deve ser ignorada essa possibilidade.

Vou citar um exemplo de conhecimento mais comum no mundo do entretenimento para deixar mais simples o entendimento.

Matrix, o filme de 1999, é uma história louca sobre pancadaria alucinada entre realidade e mundo digital? Bom, essa pode ser a cara do filme, com seus efeitos …

Comentários sobre Planetes v.1

Olá a todos!
Esse ano de 2015 tem sido muito bom para leitores de mangá que também são leitores de ficção-científica. Grandes anúncios como Akira e o relançamento de Eden (ambos pela Editora JBC) são alguns dos principais nomes desse momentos, mas outros títulos de peso também chegaram às bancas. Esse é o caso de Planetes, mangá de Mokoto Yukimura, autor também de Vinland Saga (ambos publicados pelo selo Planet Mangá, da Panini).
Comentários sobre a trama



Em um futuro próximo, onde o desenvolvimento da exploração espacial já torna possível a construção de estações e bases em alguns pontos do Sitema Solar, em Planetes acompanhamos a vida de Hoshino Hachirota (ou "Hachimaki", como lhe chamam), um jovem astronauta que tem uma das funções de menor glória: lixeiro espacial. Um trabalho exigente e necessário, mas que não é dos mais gratos.
Temos, além de  outros dois tripulantes na nave Toy Box: Yuri Mihairokov, um russo que tem um motivo bastante distinto. Além deles temos a pilo…