Pular para o conteúdo principal

Perfil - Lelouch Lamperouge

Na narrativa clássica o papel de um protagonista era claro, afinal era o chamado "mocinho", aquele que enfrentaria desafios para realizar algo bom, seja para si ou para todos ao seu redor. A figura grega do herói. Atualmente, porém, todos os conceitos cada vez são mais explorados, tornaram-se versáteis, e isso fez surgir um tipo intrigante e muitas vezes altamente carismático - o Anti-Herói. E Lelouch vi Britannia é a perfeita personificação desse conceito. 

Justiça é um ponto de vista

A trama de Code Geass - Rebelion of Lelouch, começa nos mostrando o jovem e rebelde Lelouch de 17 anos como um inteligente enxadrista, porém rapidamente começa-se a apresentar os reais motivos dessa atitude agressiva com a sociedade. Inconformado com a vida que seu pai, o Imperador da Britannia o submeteu junto com sua irmã após o assassinato de sua mãe, Lelouch tem um desejo pessoal de vingar-se da família real do Império, destruindo o reinado construído sobre a força e a guerra.

Neste ponto já nota-se a diferença de "Lulu"(apelido carinhoso dado pelo colegas da academia Ashford) para um herói padrão - em momento algum ele demonstra ter algum tipo de ideologia como seu guia, tanto que seu primeiro ato após ganhar o "Poder dos Reis" é o de assassinar o meio irmão, Clovis - o Terceiro Príncipe da Britannia. Para ele todos, incluindo os membros da Ordem dos Cavaleiros Negros, são somente peões na busca por sua vingança pessoal.

A libertação do Japão, justiça, mundo melhor - todas essas coisas são somente joguetes nas mãos do estrategista Lelouch que na verdade só se importa com uma única pessoa no mundo - sua irmã Nanaly.

Também é interessante observar como o 'heroísmo' de Lelouch contrasta com o heroísmo apresentado por Suzaku, seu amigo de infância, que escolhe fazer justiça através de caminhos mais moderados e pacíficos, com a ajuda da princesa Euphemia. Pontos altos de Code Geass apoiam-se neste ponto que nos faz questionar o que realmente é a justiça e de que lado ela está.

O herói de mil faces?

Para gerar um movimento sólido contra a figura do Imperador, Lelouch sabia que precisaria de uma figura para ser amada pelos 'onze' e odiada pelas forças britânians, um rosto e nome para levar temor quase sobrenatural aos seus inimigos. Foi com essa idéia que surgiu a figura de Zero.

Zero ganha fama e importância rapidamente devido a seus feitos inacreditáveis e exibicionistas, em uma atitude sempre ousada contra os poderes do império. Com palavras de impacto ele herge uma grande massa contra o domínio de Britânnia, trazendo esperanças a todos que sonham com o retorno da glória na nação japonesa.

Além da Máscara.




Não são poucas as vezes que se comparam Lelouch a outro anti-herói muito conhecido atualmente no universo dos mangás/animes - Raito Yagami, o protagonista da série Death Note. Os dois são jovens que desejam mudar a sociedade e para isso utilizam-se de poderes que recebem, iniciando essa jornada. Olhando nessa ótica superficial faz-se realmente justa essa comparação, mas as semelhanças param por aí. Ao pensar na estrutura psicológica de ambos percebem-se as diferenças fundamentais.

Enquanto Raito persegue um ideal obsessivo que visa a levá-lo a personificação da justiça, colocando-o no ponto mais alto da humanidade (a famosa imagem de 'Kira' como o 'Deus do Novo Mundo'). Já Lelouch está no extremo oposto de visão. Ele não deseja se colocar no topo da nova nação japonesa, ou do Império da Britânia, tanto que usa a si próprio como instrumento para realizar seu objetivo - acabar com a guerra e dar a sua irmã uma vida mais justa. Com certeza mais altruísta, o que porém não modifica todas as ações frias e cruéis que Zero comente para este fim.


Herói, manipulador, inteligente, frio...  As inúmeras facetas deste personagem fazem de Lelouch Lamperouge um dos protagonistas de maior destaque e repercussão desde o lançamento da série, em Outubro de 2006. Pessoalmente, ele está firme no grupo de personagens que mais admiro nesse gigantesco rumos do anime e mangá.


Comentários

  1. olha estava procurando uma imagen no google e acabei achando o seu site e bom mais tem que melhorar, e tmb quero dizer de todos os personagens de todos os animes que assisti que foram mts agredite, nao estou falando isso da boca pra fora mas sim estou falando o que penso o personagen que eu admirei em toda minha vida ate hoje e o Lelouch ele nao queria nada pra ele, apenas queria uma vida melhor para sua irma queria 1 pedaço de esperança apenas um pouco de felicidade ele sabia que isso era pedir mt mais e o que ele queria lutou ate o final sem nemhuma magua e conseguil o que queria. observaçao : ainda acho que Lelouch esta vivo na minha opniao entao isso nao conta mais e o que eu acho

    ResponderExcluir
  2. Quero acrescentar algumas coisas que o senhor não postou no tópico.

    Sim o Lelouch é um Anti-Herói ( ironicamente meu modo de pensar é igual ao dele ) .

    Sim o Lelouch matou várias pessoas inocentes.

    O Lelouch era Manipulador, Estratégista, Frio e Calculista, no entanto ele se importava com a morte dos seus companheiros e quando vários membros dos Cavaleiros Negros morreram, ele sentiu a perda deles e ficou um pouco triste por isso ( Um exemplo é o Urabe ).

    Ele também se importava com o mundo ( muita gente acha que ele queria apenas destruir Britannia e Deixar a irmã dele feliz, mas não é só isso )

    Provas disso :

    1 - O Lelouch na 1 Temporada de fato só se importava com sua irmã, e por isso ele perdeu pro exército de Britannia.

    2 - O Lelouch na 2 Temporada ficou muito mais frio e calculista, no entanto ele começou a se importar de verdade com a felicidade das pessoas, tanto que ele chegou a deixar a vida em risco para salvar os membros dos cavaleiros negros.

    3 - Depois que a Nunally morreu e ele matou o Pai dele, Ele não tinha mais nenhum objetivo e sabe o que ele fez? Ele começou o Réquiem de Zero.

    4 - Virou Imperador da Britannia ( Nação que ele odiava ) Manipulou todas as pessoas do Mundo, derrotou a parte do Exército Rebelde de Britannia e a Ordem dos Cavaleiros Negros ( sua própria organização ) e mesmo depois de saber que sua irmã estava viva, não se importou e manipulou até mesmo ela, sabe pra que?

    5 - Apenas para no final fazer o melhor amigo dele matar ele a sangue frio na frente da Nunally e do Mundo Inteiro, só pra fazer o mundo ficar livre e feliz, onde as pessoas podessem resolver os problemas sem usar poder militar.

    Ou seja no final das contas, ele manipulou até mesmo a pessoa mais importante na vida dele ( Nunally ) Para Salvar o Mundo.

    Isso sim é o maior Anti-Herói de todos, pois morreu de uma forma Honrada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Otimo texto. Mas ele nao morreu.

      Abc

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

UQ Holder - o novo mangá de Ken Akamatsu começa com tudo!

A estréia de UQ Holder, nova obra de Ken Akamatsu se deu no mês de agosto deste ano de 2013 e foi cercada de grande expectativa: desta vez o mangaká tinha a intenção clara de fazer um mangá de ação desde o princípio.
Talvez no Brasil o trabalho de Ken Akamatsu não seja tão reconhecido quanto poderia. Sua imagem é muito marcada pelos fanservices de Love Hina. Muitos sequer chegaram a ler sua obra seguinte e de maior sucesso comercial: Mahou Sensei Negima. O plot de um menino cercado de 31 garotas também ajudou a aprofundar o preconceito de leitores que (no meu ver pessoal) parecem valorizar demais a sexualidade nos mangás, esquecendo de analisar outros aspectos como a comédia, e, principalmente, a qualidade dos personagens.


Ken Akamatsu é um mestre em criar personagens cativantes e Negima foi um grande sucesso quando conseguiu mesclar a comédia, esses personagens apaixonantes e uma dose de ação crescente. Lutas muito bem desenhadas estão nas páginas da obra de forma cada vez mais cons…

Sobre o que fala Suzumiya Haruhi, afinal?

Suzumiya Haruhi é uma série de light novels que já conta com 10 volumes e o suspense se irão haver novas publicações ou não. A história ficou mais famosa quando se transformou em anime e então a franquia caiu no gosto do público otaku pelos seus clichês cômicos, personagens carismáticos e uma dancinha viciante para viralizar. Porém muitos acabam julgando que a obra não passa de um entretenimento barato para otakus e que não possui nenhuma mensagem intrínseca. O que é um erro e eu vou dizer o motivo:

Qualquer obra, por mais comercial e batida que seja, pode conter em si uma mensagem, talvez supérflua, talvez profunda, mas não é por causa de questões visuais ou estilísticas que deve ser ignorada essa possibilidade.

Vou citar um exemplo de conhecimento mais comum no mundo do entretenimento para deixar mais simples o entendimento.

Matrix, o filme de 1999, é uma história louca sobre pancadaria alucinada entre realidade e mundo digital? Bom, essa pode ser a cara do filme, com seus efeitos …

Comentários sobre Planetes v.1

Olá a todos!
Esse ano de 2015 tem sido muito bom para leitores de mangá que também são leitores de ficção-científica. Grandes anúncios como Akira e o relançamento de Eden (ambos pela Editora JBC) são alguns dos principais nomes desse momentos, mas outros títulos de peso também chegaram às bancas. Esse é o caso de Planetes, mangá de Mokoto Yukimura, autor também de Vinland Saga (ambos publicados pelo selo Planet Mangá, da Panini).
Comentários sobre a trama



Em um futuro próximo, onde o desenvolvimento da exploração espacial já torna possível a construção de estações e bases em alguns pontos do Sitema Solar, em Planetes acompanhamos a vida de Hoshino Hachirota (ou "Hachimaki", como lhe chamam), um jovem astronauta que tem uma das funções de menor glória: lixeiro espacial. Um trabalho exigente e necessário, mas que não é dos mais gratos.
Temos, além de  outros dois tripulantes na nave Toy Box: Yuri Mihairokov, um russo que tem um motivo bastante distinto. Além deles temos a pilo…