Pular para o conteúdo principal

Fafictions - Porque e para que?

Bom, apesar de a faculdade, trabalho e projetos estarem me matando como nunca (dessa vez tô enrolada!) senti a necessidade de vir falar um pouco sobre um tema que hoje está em primeiro plano na minha mente: os Fanfictions.

Para quem não sabe o que se trata um fanfiction (algo bem raro, mas que acontece) - a palavra vem de Ficção de fã, em inglês, Fan Fiction. Tratam-se de tramas literárias escritas utilizando personagens, enredos e outros elementos já existentes, protegidos por direitos autorais e etc. Porém o fanfiction, por tratar-se de uma manifestação que não visa o lucro, não deve-se confundir com corrupção dos direitos do autor.

Escreve- se fanfictions por diversos motivos, os principais são a pura vontade de realizar uma estória nova, com aquilo que se desejaria ver, com aqueles personagens já existentes e possivelmente admirados, Mas também os fanfictions são uma espécie de campo de treinamento para pessoas que sonham em trabalhar com literatura em diversos níveis. Este, por exemplo, é o caso desta blogueira.

Como escrevo fanfictions para web desde 2007 e associando-se a isso meus projetos mais sérios (planejando futuramente o mercado editorial) eu acreditava que o papel dos fanfics na minha vida literária já tinha terminado. Porém percebi coisas que me fizeram mudar de idéia e que eu acredito que seriam boas de dividir com todos, para quem sabe outros aspirantes a escritores possam também perceber estas coisas.

Quem escreve fanfics porque gosta de escreve-lôs, tem um trabalho muito mais válido do que aqueles que escrevem desesperadamente caçando o mercado editorial (lembrando que existem realmente muitas pessoas por aí que não visam somente o mercado, mas como as grandes editoras). Isso porque, quem escreve querendo somente ser um Dan Brown ou Joane Rowling, muitas vezes esquece-se a parte mais importante da literatura - o amor a aquilo que se está escrevendo. Algo que vários (não a maioria, mas vários) autores de fanfics tem em primeiro plano.

Devo confessar que minha tentativa de me desvincular aos fanfictions falhou, porque meu lado fã e de criadora compulsiva fala mais alto, tanto que agora além de estar retomando uma série que publico a anos, estou me preparando para escrever uma baseada no que deve ser declaramente meu maior vício no mundo dos animes. O que posso fazer se eu amo fazer isso?

O recado que fica é: mesmo que se sonhe com as prateleiras, noites de autográfos e fama, não se deve esquecer nunca do prazer naquilo que se escreve, um prazer esse que pode mesmo ser encontrado naquela estória que nunca poderá ser vendida, como um fanfic.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

UQ Holder - o novo mangá de Ken Akamatsu começa com tudo!

A estréia de UQ Holder, nova obra de Ken Akamatsu se deu no mês de agosto deste ano de 2013 e foi cercada de grande expectativa: desta vez o mangaká tinha a intenção clara de fazer um mangá de ação desde o princípio.
Talvez no Brasil o trabalho de Ken Akamatsu não seja tão reconhecido quanto poderia. Sua imagem é muito marcada pelos fanservices de Love Hina. Muitos sequer chegaram a ler sua obra seguinte e de maior sucesso comercial: Mahou Sensei Negima. O plot de um menino cercado de 31 garotas também ajudou a aprofundar o preconceito de leitores que (no meu ver pessoal) parecem valorizar demais a sexualidade nos mangás, esquecendo de analisar outros aspectos como a comédia, e, principalmente, a qualidade dos personagens.


Ken Akamatsu é um mestre em criar personagens cativantes e Negima foi um grande sucesso quando conseguiu mesclar a comédia, esses personagens apaixonantes e uma dose de ação crescente. Lutas muito bem desenhadas estão nas páginas da obra de forma cada vez mais cons…

Sobre o que fala Suzumiya Haruhi, afinal?

Suzumiya Haruhi é uma série de light novels que já conta com 10 volumes e o suspense se irão haver novas publicações ou não. A história ficou mais famosa quando se transformou em anime e então a franquia caiu no gosto do público otaku pelos seus clichês cômicos, personagens carismáticos e uma dancinha viciante para viralizar. Porém muitos acabam julgando que a obra não passa de um entretenimento barato para otakus e que não possui nenhuma mensagem intrínseca. O que é um erro e eu vou dizer o motivo:

Qualquer obra, por mais comercial e batida que seja, pode conter em si uma mensagem, talvez supérflua, talvez profunda, mas não é por causa de questões visuais ou estilísticas que deve ser ignorada essa possibilidade.

Vou citar um exemplo de conhecimento mais comum no mundo do entretenimento para deixar mais simples o entendimento.

Matrix, o filme de 1999, é uma história louca sobre pancadaria alucinada entre realidade e mundo digital? Bom, essa pode ser a cara do filme, com seus efeitos …

Comentários sobre Planetes v.1

Olá a todos!
Esse ano de 2015 tem sido muito bom para leitores de mangá que também são leitores de ficção-científica. Grandes anúncios como Akira e o relançamento de Eden (ambos pela Editora JBC) são alguns dos principais nomes desse momentos, mas outros títulos de peso também chegaram às bancas. Esse é o caso de Planetes, mangá de Mokoto Yukimura, autor também de Vinland Saga (ambos publicados pelo selo Planet Mangá, da Panini).
Comentários sobre a trama



Em um futuro próximo, onde o desenvolvimento da exploração espacial já torna possível a construção de estações e bases em alguns pontos do Sitema Solar, em Planetes acompanhamos a vida de Hoshino Hachirota (ou "Hachimaki", como lhe chamam), um jovem astronauta que tem uma das funções de menor glória: lixeiro espacial. Um trabalho exigente e necessário, mas que não é dos mais gratos.
Temos, além de  outros dois tripulantes na nave Toy Box: Yuri Mihairokov, um russo que tem um motivo bastante distinto. Além deles temos a pilo…