Pular para o conteúdo principal

Angel Beats (2010) - Review


Existem histórias (incluindo animes) com argumento de grande potencial que acabam não aproveitando essa qualidade em troca de tentar criar uma empatia maior em torno de seus personagens (nem sempre conseguindo, é claro). Porém este não é o caso de Angel Beats!


O anime produzido pela P.A. Works e Aniplex tem sim suas falhas de roteiro (ou talvez tenha o mínimo possível delas levando em consideração a curta duração da série animada), porém é impossível dizer que Angel Beats! não desenvolve seu argumento original, porque desenvolve sim e de uma maneira surpreendente e interessante.

Pode-se dizer, desde o primeiro dos treze episódios da série, que trata-se essencialmente de uma trama de pessoas tentando viver em um mundo que não entendem por completo, um tema bem profundo, se levar em conta o detalhe fundamental de que esse é um mundo pós-vida. Os constantes questionamentos sobre Deus e sua existência também acrescentam muito a trama, pois fica sempre evidente que cada um está ali seguindo somente seus valores e conceitos.

Um plot profundo e até confuso de compreender, provavelmente esse é o maior trunfo e também problema em Angel Beats!, motivo a sensação de "patinar" que o espectador tem durante o primeiro episódio. Nem drama, nem muito mistério (ao menos mistério que consiga envolver), nem uma comédia que fuja do batido. Um preço a se pagar para manter a trama coerente em si, explicando-se conforme o possível e necessário, confrontando aqueles que não fugiram com essas barreiras iniciais com valores cada vez mais profundos e viradas de roteiro dignas de aplausos.

A maior falha em Angel Beats é (na minha opinião pessoal [redundante, mas graças a eventos relacionados a haters que tive a pouco tempo, melhor frisar]) a falta de empatia que causa no espectador.


De modo algum estou dizendo que os personagens são vazios ou pouco humanos, muito pelo contrário. Porém tanta humanidade e complexidade não consegue alcançar os sentimentos de quem acompanha todos os aspectos daqueles jovens que morreram sem poder viver plenamente. Como o DidCart, do MBB Anime Kenkyuukai, disse quando falamos da série - fica aquela sensação de distância. Os momentos que eu assistindo a série, me senti tocada foram nas revelações das histórias de vida do protagonista Otonashi e da compositora e cantora Iwasawa. Mesmo depois de muito refletir, não consigo ver o motivo desse distanciamento (se alguém tem sugestões, que acrescente =) ).

Fora isso existiram também alguns "deslises" nos últimos dois episódios (que não me cabe contar!) que tiraram um pouquinho do brilho do fechamento deste roteiro competente.

Aliás, dentro do atual patamar de roteiros que nunca acabam (uma mania que, em filmes, já me tirou a paciência!) onde se escreve já pensando nas vendas da terceira continuação, é preciso mais do que nunca destacar a competência com a qual o roteiro de Angel Beats!, mesmo com toda a sua sensação de estranheza, consegue fechar-se em si mesmo. Mesmo que episódios extras, ou outras séries pudessem vir para acrescentar, a sensação de "final do ciclo" no encerramento é muito forte e sólida. Muitos pontos positivos por isto.

E aplausos para um protagonista humano e convincente como Otonashi foi.

E alguns minutos em silêncio para as duas outras personagens de destaque, Yuri e Kanade, não terem sido exploradas como poderiam ter sido, principalmente a segunda, o Anjo que tem um papel fundamental desde o início e acaba como uma interrogação agregada de valores no último minuto que chegam a soar empurrados.


Conclusão

Se me perguntar se indico Angel Beats! eu direi sem hesitar que sim! Provavelmente a série não vai marcar, mas ainda é uma execução muito boa e surpreendente em vários aspectos. Falando de modo bem pessoal, consegue entrar no difícil patamar de BOM pra mim (difícil mesmo, afinal sou extremamente ranzinza, como alguns já podem ter notado nas minhas avaliações =3)

Tire uma noite e assista toda a série de uma vez, será com certeza uma experiência interessante.

E pra fechar, admito que estou agora curiosa pelo OAD que vai sair em 2011 e procurando um meio de ler a light novel. Além disso, que músicas legais ein!

Comentários

  1. Acabei de assisti os 13 episódios de angel beats adorei esse. Agora só acho que deveria ter contado no anime as historias do outros personagens seria interessante, mas ai o anime ficaria um pouco cansativo e longo.E na despedida lá no final sente falta dos outros personagens da série.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

UQ Holder - o novo mangá de Ken Akamatsu começa com tudo!

A estréia de UQ Holder, nova obra de Ken Akamatsu se deu no mês de agosto deste ano de 2013 e foi cercada de grande expectativa: desta vez o mangaká tinha a intenção clara de fazer um mangá de ação desde o princípio.
Talvez no Brasil o trabalho de Ken Akamatsu não seja tão reconhecido quanto poderia. Sua imagem é muito marcada pelos fanservices de Love Hina. Muitos sequer chegaram a ler sua obra seguinte e de maior sucesso comercial: Mahou Sensei Negima. O plot de um menino cercado de 31 garotas também ajudou a aprofundar o preconceito de leitores que (no meu ver pessoal) parecem valorizar demais a sexualidade nos mangás, esquecendo de analisar outros aspectos como a comédia, e, principalmente, a qualidade dos personagens.


Ken Akamatsu é um mestre em criar personagens cativantes e Negima foi um grande sucesso quando conseguiu mesclar a comédia, esses personagens apaixonantes e uma dose de ação crescente. Lutas muito bem desenhadas estão nas páginas da obra de forma cada vez mais cons…

Sobre o que fala Suzumiya Haruhi, afinal?

Suzumiya Haruhi é uma série de light novels que já conta com 10 volumes e o suspense se irão haver novas publicações ou não. A história ficou mais famosa quando se transformou em anime e então a franquia caiu no gosto do público otaku pelos seus clichês cômicos, personagens carismáticos e uma dancinha viciante para viralizar. Porém muitos acabam julgando que a obra não passa de um entretenimento barato para otakus e que não possui nenhuma mensagem intrínseca. O que é um erro e eu vou dizer o motivo:

Qualquer obra, por mais comercial e batida que seja, pode conter em si uma mensagem, talvez supérflua, talvez profunda, mas não é por causa de questões visuais ou estilísticas que deve ser ignorada essa possibilidade.

Vou citar um exemplo de conhecimento mais comum no mundo do entretenimento para deixar mais simples o entendimento.

Matrix, o filme de 1999, é uma história louca sobre pancadaria alucinada entre realidade e mundo digital? Bom, essa pode ser a cara do filme, com seus efeitos …

Comentários sobre Planetes v.1

Olá a todos!
Esse ano de 2015 tem sido muito bom para leitores de mangá que também são leitores de ficção-científica. Grandes anúncios como Akira e o relançamento de Eden (ambos pela Editora JBC) são alguns dos principais nomes desse momentos, mas outros títulos de peso também chegaram às bancas. Esse é o caso de Planetes, mangá de Mokoto Yukimura, autor também de Vinland Saga (ambos publicados pelo selo Planet Mangá, da Panini).
Comentários sobre a trama



Em um futuro próximo, onde o desenvolvimento da exploração espacial já torna possível a construção de estações e bases em alguns pontos do Sitema Solar, em Planetes acompanhamos a vida de Hoshino Hachirota (ou "Hachimaki", como lhe chamam), um jovem astronauta que tem uma das funções de menor glória: lixeiro espacial. Um trabalho exigente e necessário, mas que não é dos mais gratos.
Temos, além de  outros dois tripulantes na nave Toy Box: Yuri Mihairokov, um russo que tem um motivo bastante distinto. Além deles temos a pilo…