Pular para o conteúdo principal

[OP-ED Review] Mahou Shoujo Madoka Magica

Oi pessoal! Espero que estejam curtindo boas anime songs e bons animes! Eu particularmente estou me empolgando muito mais com esta temporada do que eu esperava (apesar de que, estou dizendo oficialmente, abandonei Yumekui Merry, sorry). Enfim, hoje vou falar sobre o anime que está me tirando o sono, me fazendo delirar a cada semana, pra mim, a grande surpresa desta temporada: Mahou Shoujo Madoka Magica. Sim, esse anime bonitinho e feliz que..........

Ok, eu não vou mentir para vocês, então desculpem. 

Não vou me demorar falando sobre isto, até porque não quero estragar a graça de ver, mas eu preciso só avisar uma coisinha antes de continuarmos: se você acha que estamos falando de mais um anime de garotas mágicas com poderes legais, batalhas e jovens sonhadores e felizes, eu te digo algo..... 

Você está enganado.




Ops, acho que estraguei a surpresa! Mas.... vamos as músicas!

Opening - Connected by ClariS

Tanto a música como o vídeo desta abertura trazem tudo aquilo que esperamos de um Mahou Shoujo: temos a garota, temos mágicas, temos até uma transformação daquelas bem cheias de coisinhas rosas brilhando (afinal a cor da Madoka é o rosa).

Em visual também destaca-se o momento onde o estilo Shaft se faz presente nesta opening, a passagem em que a Madoka corre sob a chuva. Veja que este estilo de coloração, além da própria variedade de cores, é algo que a empresa já mostrou em outros de seus trabalhos (vide Bakemonogatari). Falo isto porque este estúdio tem como grande assinatura essa sua "cara" nas animações. Além disso, em diversos outros momentos a empresa capricha nas suas experimentações visuais, com cores psicodélicas, montagens com diversos estilos de animação sobrepostos. Um espetáculo para quem ama coisas diferentes.

Mas, voltando a esta opening, a música em si é bastante agradável e fica facilmente lembrada. A única ressalta que é possível fazer é no quesito coerência com o a obra apresentada. Apesar de ser totalmente coerente com o visual fofo e rosto bem largo com olhos grandes das personagens, como eu disse anteriormente, estes atributos são somente para "enganar" o espectador.

ADD: SE este vídeo for removido, avise-me, este problema está ocorrendo sumariamente com TODOS o vídeos dessa opening.

 

Avaliação pessoal: 8,2

Ending - Magia by Kalafina

Confesso que o segundo motivo para ter começado a assistir Madoka Magica foi somente saber que teria uma anime song do grupo Kalafina. O som delas é bem diferente do habitual e me agrada bastante, apesar de com certeza não ser para todos os gostos. Conheci o trabalho delas em 2010, quando fizeram a abertura de Sora no Woto (nossa, eu sempre estou falando desse anime-bomba por aqui ne, o que posso fazer se eu gosto do maldito? ^^).

Como acontece em várias das séries do estúdio Shaft, só foi apresentando o vídeo de encerramento de Madoka Magica a partir do terceiro episódio. As vezes isso acontece pelo estúdio realmente não ter finalizado a produção, outras vezes por ter obras demais em produção para dar conta, mas há de se convir que esse "atraso" já também tornou-se parte da "assinatura Shaft". No caso de Madoka Magica acredito que o motivo foi ainda outro - a vontade de enganar ao máximo o público.

Não estou brincando, o diretor publicou uma nota oficial de "desculpas" a todos aqueles que acreditavam que Madoka Magica era somente aquilo que se apresentou no primeiro e segundo episódio.

Estou falando tudo isso aqui também porque o vídeo de encerramento vem com toda a força mostrando a  "verdadeira cara" da série, com imagens difusas, cores que vão escurecendo e dando um desconforto em quem assiste (eu sempre tento aumentar a claridade da imagem por reflexo). E aqui sim, podemos dizer que existe muita coerência.



Avaliação pessoal: 7,8 (esse anime me dá medo!!)

Ok, mas.... e a série, Mazaki?

É realmente bem difícil para mim falar de Madoka Magica. Não que eu não esteja gostando, muito pelo contrário. Este anime que tinha tudo para ser um mediano feliz conseguiu transformar minha pacata parcela de vida de otaku de um momento para o outro e destruir todas as minhas concepções do que pode ser um anime de garotas mágicas.

Eu que comecei a assisti-lo somente por ser do meu estúdio favorito, Shaft, conhecido por seu surrealismo e nonsense de primeira, estou agora aplaudindo em pé a cada momento de Madoka Magica. Pela sua qualidade de roteiro, pelos seus personagens que se mostram a cada cena mais humanos e críveis, pela excelente trilha e por ter me enganado completamente ao se apresentar como um "anime de garotas sonhadoras, felizes e com super-poderes".

Não consigo realmente me lembrar outra vez em que um anime me enganou tão redondamente e me fascinou deste modo.

Então, eu com certeza recomendo. Não veja somente um episódio para testar, veja os três primeiros, para ter noção da verdadeira cara desta obra. Se não agradar, não continue, porque tudo só vai "piorar" ainda mais, para o delírio dos milhares que comentar sem parar nos fóruns internacionais, expondo teorias, opiniões e palavras de completa empolgação.

Eu ainda tinha aqui meus receios até pouco tempo, mas agora já mergulhei de cabeça neste universo sinistro e muito mais "real" do que qualquer outro mahou shoujo. (Como estão dizendo pelos fóruns... este é o Neon Genesis do gênero de garotas mágicas).


ADD: Bem possível que eu ainda volte a fazer outras postagens sobre este anime, cuidado.

Comentários

  1. É um anime que está me surpreendendo, pois além de ter uma animação que inicialmente me fez lembrar o "Black Rock Shooter", depois foi aqueles efeitos especiais estranhos do feitiço que parece ser retrô e não-anime.

    Outra coisa é quem é do bem e do mal? A Kyuubei é algum ser demoníaco que está querendo ganhar poderes? Ou aquela menina que tenta evitar que a protagonista e a amiga a virarem garotas mágicas é a verdadeira heroína, pois está evitando que o caos se instale?

    Sem dúvidas é um anime de garotas mágicas que a delicadeza e fofura vão ficar em segundo plano... e o sofrimento, ação, mistério e drama vão imperar.

    ResponderExcluir
  2. Na época que foi lançado assisti o primeiro episódio só para conferir, sem esperar muito, já que se trata de um mahou shoujo. Só cheguei a assistir o segundo porque o único homem que encontrei no primeiro episódio foi o pai da Madoka, isso mesmo! Cortando a possibilidade do "Ahhhh! Eu quero namorar o garoto mais bonito e inútil da escola" presente em tantos animês do gênero e também as cenas do sonho da Madoka no início. Depois do segundo eu comecei a gostar mesmo.

    A abertura é bem legal e o encerramento também, bipolaridade comandando o animê! ^^

    ResponderExcluir
  3. apenas pra complementar os videos, caso você não tenha visto. (mas acho que provavelmente já deve...)
    Magia ao vivo:
    http://www.youtube.com/watch?v=CmpleWRcBvc

    Realmente madoka é a revelação dessa temporada. Eu já era fã das trilhas sonoras da Yuki Kajiura, e ia assistir esse anime só por causa dela, mas acabei me surpreendendo.
    Parece que resolveram quebrar todos os clichês de mahou shoujo nesse anime. E aquela carinha feliz do Kyubey me dá medo desde o primeiro episódio... o_o'

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

UQ Holder - o novo mangá de Ken Akamatsu começa com tudo!

A estréia de UQ Holder, nova obra de Ken Akamatsu se deu no mês de agosto deste ano de 2013 e foi cercada de grande expectativa: desta vez o mangaká tinha a intenção clara de fazer um mangá de ação desde o princípio.
Talvez no Brasil o trabalho de Ken Akamatsu não seja tão reconhecido quanto poderia. Sua imagem é muito marcada pelos fanservices de Love Hina. Muitos sequer chegaram a ler sua obra seguinte e de maior sucesso comercial: Mahou Sensei Negima. O plot de um menino cercado de 31 garotas também ajudou a aprofundar o preconceito de leitores que (no meu ver pessoal) parecem valorizar demais a sexualidade nos mangás, esquecendo de analisar outros aspectos como a comédia, e, principalmente, a qualidade dos personagens.


Ken Akamatsu é um mestre em criar personagens cativantes e Negima foi um grande sucesso quando conseguiu mesclar a comédia, esses personagens apaixonantes e uma dose de ação crescente. Lutas muito bem desenhadas estão nas páginas da obra de forma cada vez mais cons…

Sobre o que fala Suzumiya Haruhi, afinal?

Suzumiya Haruhi é uma série de light novels que já conta com 10 volumes e o suspense se irão haver novas publicações ou não. A história ficou mais famosa quando se transformou em anime e então a franquia caiu no gosto do público otaku pelos seus clichês cômicos, personagens carismáticos e uma dancinha viciante para viralizar. Porém muitos acabam julgando que a obra não passa de um entretenimento barato para otakus e que não possui nenhuma mensagem intrínseca. O que é um erro e eu vou dizer o motivo:

Qualquer obra, por mais comercial e batida que seja, pode conter em si uma mensagem, talvez supérflua, talvez profunda, mas não é por causa de questões visuais ou estilísticas que deve ser ignorada essa possibilidade.

Vou citar um exemplo de conhecimento mais comum no mundo do entretenimento para deixar mais simples o entendimento.

Matrix, o filme de 1999, é uma história louca sobre pancadaria alucinada entre realidade e mundo digital? Bom, essa pode ser a cara do filme, com seus efeitos …

Comentários sobre Planetes v.1

Olá a todos!
Esse ano de 2015 tem sido muito bom para leitores de mangá que também são leitores de ficção-científica. Grandes anúncios como Akira e o relançamento de Eden (ambos pela Editora JBC) são alguns dos principais nomes desse momentos, mas outros títulos de peso também chegaram às bancas. Esse é o caso de Planetes, mangá de Mokoto Yukimura, autor também de Vinland Saga (ambos publicados pelo selo Planet Mangá, da Panini).
Comentários sobre a trama



Em um futuro próximo, onde o desenvolvimento da exploração espacial já torna possível a construção de estações e bases em alguns pontos do Sitema Solar, em Planetes acompanhamos a vida de Hoshino Hachirota (ou "Hachimaki", como lhe chamam), um jovem astronauta que tem uma das funções de menor glória: lixeiro espacial. Um trabalho exigente e necessário, mas que não é dos mais gratos.
Temos, além de  outros dois tripulantes na nave Toy Box: Yuri Mihairokov, um russo que tem um motivo bastante distinto. Além deles temos a pilo…