Pular para o conteúdo principal

Light Novels, Elementais e uma via para o futuro

Não é de hoje que o Mundo Mazaki abre espaço para discussão sobre Light Novels. Já fiz por aqui dois textos específicos que demonstram bem a evolução do que eu tenho visto neste mercado em relação ao nosso país. O primeiro texto foi o "Light Novel: o fenômeno que ainda não chegou ao Brasil"  quando . Depois disso veio o "Brasil e light novels - um futuro?" onde vim comentar sobre os felizes lançamentos da editora NewPop em 2010, que trouxe duas novels para o mercado brasileiro, com certeza um avanço e tanto depois das primeiras (e desastrosas) tentativas de anos antes, onde o mercado ainda estava menos preparado para isto.

Bom, hoje volto novamente e com um tom ainda mais otimista do que da última vez para falar sobre o mais novo lançamento da Editora Virtual Infinitum, a light novel "Elementais: O receptáculo do caos", a primeira série neste estilo brasileira sendo publicada! Claro que devo deixar claro que esta não é 'a primeira light novel brasileira', pois já existe o título "Mil Nomes", que aparentemente foi anunciada em 2010 (se alguém tiver um link mais completo com informações dessa série para me passar, eu agradeceria).



Não estou aqui para fazer uma análise crítica do material, até porque ainda não botei ainda as mãos na obra e dei aquela lida, mas venho falar dela por outro motivo - o valor que este lançamento tem para o ainda não-existente mercado editorial de light novels brasileiras.

Sim, existem mil e um motivos para se discordar de mim quando venho afirmar que acredito que Elementais é um importante passo para a construção deste mercado, alguns podem até argumentar que "não existem light novels fora do Japão" e bla bla bla (por favor, você também aponta essas armas para a fantástica inciativa da Ação Magazine é?). Mas existe um bom público por aí que anseia por este tipo de conteúdo, tanto o nacional quanto o conteúdo japonês (sim, eu também quero que Suzumiya Haruhi chegue logo!) e é por causa desse público que eu fico aqui cobrindo essas novidades =)

E querem saber? Os próximos meses ainda vão trazer muito mais novidades em relação a light novels 'made in Brazil' (estou fazendo suspense?). O importante é entender o valor que cada passo desse mercado tem seu valor dentro do todo que vai se formando.

É isso aew, vamos conferir Elementais: o receptáculo do caos, uma obra que se lança corajosamente no mercado tentando abrir espaço para um tipo de publicação que merece toda a atenção: as light novels.


E vocês? Discordam completamente da minha alegria? Concordam? O que vocês veêm para o futuro das novels brasileiras? =)

Comentários

  1. Adorei. Mesmo que digam que brasileiro não gosta de ler, acho muito bacana sim essa abertura no mercado.

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Mil Nomes foi lançado em 2010 mesmo.
    Aliás, é uma light novel com uma pegada anarquista, eu gostei muito dela!
    Aliás, legal a inicitiva de vocês, tem que abrir mais esse lance mesmo!
    É isso, até mais!
    S2

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

UQ Holder - o novo mangá de Ken Akamatsu começa com tudo!

A estréia de UQ Holder, nova obra de Ken Akamatsu se deu no mês de agosto deste ano de 2013 e foi cercada de grande expectativa: desta vez o mangaká tinha a intenção clara de fazer um mangá de ação desde o princípio.
Talvez no Brasil o trabalho de Ken Akamatsu não seja tão reconhecido quanto poderia. Sua imagem é muito marcada pelos fanservices de Love Hina. Muitos sequer chegaram a ler sua obra seguinte e de maior sucesso comercial: Mahou Sensei Negima. O plot de um menino cercado de 31 garotas também ajudou a aprofundar o preconceito de leitores que (no meu ver pessoal) parecem valorizar demais a sexualidade nos mangás, esquecendo de analisar outros aspectos como a comédia, e, principalmente, a qualidade dos personagens.


Ken Akamatsu é um mestre em criar personagens cativantes e Negima foi um grande sucesso quando conseguiu mesclar a comédia, esses personagens apaixonantes e uma dose de ação crescente. Lutas muito bem desenhadas estão nas páginas da obra de forma cada vez mais cons…

Sobre o que fala Suzumiya Haruhi, afinal?

Suzumiya Haruhi é uma série de light novels que já conta com 10 volumes e o suspense se irão haver novas publicações ou não. A história ficou mais famosa quando se transformou em anime e então a franquia caiu no gosto do público otaku pelos seus clichês cômicos, personagens carismáticos e uma dancinha viciante para viralizar. Porém muitos acabam julgando que a obra não passa de um entretenimento barato para otakus e que não possui nenhuma mensagem intrínseca. O que é um erro e eu vou dizer o motivo:

Qualquer obra, por mais comercial e batida que seja, pode conter em si uma mensagem, talvez supérflua, talvez profunda, mas não é por causa de questões visuais ou estilísticas que deve ser ignorada essa possibilidade.

Vou citar um exemplo de conhecimento mais comum no mundo do entretenimento para deixar mais simples o entendimento.

Matrix, o filme de 1999, é uma história louca sobre pancadaria alucinada entre realidade e mundo digital? Bom, essa pode ser a cara do filme, com seus efeitos …

Comentários sobre Planetes v.1

Olá a todos!
Esse ano de 2015 tem sido muito bom para leitores de mangá que também são leitores de ficção-científica. Grandes anúncios como Akira e o relançamento de Eden (ambos pela Editora JBC) são alguns dos principais nomes desse momentos, mas outros títulos de peso também chegaram às bancas. Esse é o caso de Planetes, mangá de Mokoto Yukimura, autor também de Vinland Saga (ambos publicados pelo selo Planet Mangá, da Panini).
Comentários sobre a trama



Em um futuro próximo, onde o desenvolvimento da exploração espacial já torna possível a construção de estações e bases em alguns pontos do Sitema Solar, em Planetes acompanhamos a vida de Hoshino Hachirota (ou "Hachimaki", como lhe chamam), um jovem astronauta que tem uma das funções de menor glória: lixeiro espacial. Um trabalho exigente e necessário, mas que não é dos mais gratos.
Temos, além de  outros dois tripulantes na nave Toy Box: Yuri Mihairokov, um russo que tem um motivo bastante distinto. Além deles temos a pilo…