Pular para o conteúdo principal

Quem tem medo do Nonsense?


Nonsense, uma forma de comédia que assusta e afasta grande parte das pessoas. Um humor sempre tocado por tiradas que desafiam os preceitos sociais ou até que causam certa sensação de nojo no espectador é uma marca do nonsense, mas acima de tudo ele tem que ser exatamente o que diz - algo que quebre o sentido.

Como uma grande fã do gênero venho notando já a um longo tempo como ele é ignorado ou "esquecido" pela grande mídia. Então resolvi refletir e analisar um pouco para entender o que afinal acontece pra isso.

Ou seja - Mas porque afinal tanta gente ignora o nonsense? Será que fazer comédia é tão ruim assim, ou será que são todos mal-amados?!

Para isso vou pegar o exemplo de alguns grandes nonsenses que estão nos meus animes preferidos:

  • Sayonara Zetsubou Sensei
  • Panty & Stocking with Galterbelt
  • Maria+Holic


Começando com Sayonara Zetusbou Sensei - a incrível e ilógica história de um professor com complexos depressivos profundos que tenta se suicidar diariamente, mas enquanto não chega ao seu objetivo de livrar-se do mundo desesperador vai dando aulas a diversos jovens dos mais diferentes e estranhos estereótipos (como uma louca com dupla personalidade, uma garota mal encarada que "é exatamente o que parece", uma estrangeira ilegal e até uma garota que não se comunica sem ser por SMS de celular *essa sequer tem dubladora no anime!*). Fora toda essa esquisitice nos personagens ainda tem o fato de todas as tramas girarem em torno das teorias sempre esdrúxulas (mas incrivelmente sensatas e incômodas) que o professor Itoshiki trás aos seus alunos.

"Estou desesperado! Meu coração desesperado me deixou desesperado!" é uma das frases que me fez cair na gargalhada enquanto assistia as quatro temporadas da série. Mas, se tem "ambiente escolar", "jovem sonhadora e feliz" e "grupo de alunos que parece nunca se formar", porque Zetsubou Sensei não tem por aqui no nosso mundinho de otakus brasileiros tanto destaque?

Panty & Stocking with Galterbelt, uma série que me chocou e fez rir até quase chorar logo nos cinco primeiros minutos. Afinal quem é que espera que um anime ao estilo cartoon começe falando de temas sexuais de modo tão ridículo e escancarado desse jeito? Depois vieram vilões de bosta *literalmente* e até de outros fluidos humanos que é melhor nem comentar, que deram até certo asgo em algumas situações, mas nada que não se compensasse por uma trilha excelente, cenas de ação muito bem animadas e um arco final que não se espera de uma série desse tipo. Não são poucos os elementos que tornaram a série uma febre aos que deram uma chance ao humor cheio de palavrões e referências sexuais das irmãs anjas.

Mas então porque que até pessoas "admiradoras incondicionais da Gainax" preferiram ficar longe?

Maria+Holic - Uma jovem yuri completamente pervertida, um travesti sadista e dominador, Deus na forma da monitora do dormitório *com orelhas de gato naturais* e bolsas contendo criaturas que não são deste mundo, cheias de tentáculos e capazes de devorar um ser humano em minutos. Acho que não é preciso nem falar sobre a trama (ou falta dela) para mostrar como Maria+Holic é completamente nonsense. A trilha sonora e produção do estúdio Shaft só contribui muito para passar toda a estranheza dessa série que não tem cara de nada além de o puro.... nonsense.

E porque afinal, mesmo sendo uma comédia ótima, não ganhou uma penca de reviews como Bakuman, ou Deadman Wonderland?

Porque brasileiros, que fazem tanta piada sem sentido com tudo e todos, quando se trata desse humor em mangá ou anime não dá qualquer destaque?

Bom, com certeza essa é uma questão inútil complexa demais para eu (uma blogueira, ou seja, uma pessoa qualquer que gosta de falar) conseguir sentenciar uma resposta. Portanto vou deixar aqui a minha opinião, quer ela seja sensata ou não, pois eu não tenho diploma algum para precisar ser imparcial e fria.

Nonsense desafia valores, conceitos e a própria lógica normal presente numa trama. As pessoas não gosta de ter seus conceitos confrontados, portanto, se incomodam com as sátiras muitas vezes cheias de críticas embutidas que o nonsense pode trazer.

Rir com piadas de baixo escalão ou que até causam nojo demonstram que você também é um simples mortal que adora coisas que não te acrescentam em nada e são, descaramente, algo reprovável pelo senso comum de sensatez. Portanto, seu pseudo-intelectualismo te leva a rejeitar a ideia do nonsense.

Agora o que eu não entendo é porque desconstruir conceitos às vezes da própria indústria do mangá e anime é menos interessando do que, por exemplo, o que Madoka Magica fez com o mahou shoujo. Piada é coisa séria pessoal.

Ah, também tem a desculpa clássica de quem foge do nonsense:

"Não é meu tipo de humor"



Sei.... sei.

Comentários

  1. Bom, eu ri do "grande mídia", porque pra nenhum anime, até mesmo os mais famosos, não tem comentários na grande mídia, mas vamos lá...

    Anime/mangá já é um nicho bem específico, é de fato um hobby que existe no gueto, algo que não é do agrado popular, digamos assim. Sabemos que existe dentro deste gueto chamado "cultura otaku" um padrão que é mais aceito, tido como "temas universal" que agrada a maioria, que normalmente são os shonens de porradinha ou os shoujos de romance escolar.

    Não creio que o público otaku (ou fã de anime) como um todo ignore os anime de comédia (intitulados como nonsense por você). Na verdade creio que o anime de comédia é como um nicho dentro do nicho, ou seja, não é de agrado geral dentro do próprio mundo otaku, que por si não é de agrado das pessoas em geral.

    Acho que é tudo meio baseado em gosto, influência e modismo. Os animes de comédia mais espalhafatosa são muito bons, independente da popularidade deles. Não creio que eles necessitem da aprovação da maioria dos otakus pra serem considerados bons. Então não me prendo muito a popularidade ou divulgação dos animes que eu gosto. Basta que me agrdem.
    Os seinens, por exemplo, são em minha opinião os melhores mangás que já li. Vejo Naruto vendendo horrores e Monster que é uma obra prima ser cancelado em meu país, nem por isso me chateio com esse tipo de “injustiça”. É comum as pessoas gostarem do que eu considero pior. Hahaha

    Não sei se fui bem claro, porque estou com sonos agora. Mas é isso. Bom post!

    ResponderExcluir
  2. Non-sense pode até não ser o meu gênero preferido, mas quando se trata de humor, nenhum outro me arranca tantas gargalhadas. Nesse quesito o gênero cumpre seu papel com primazia. Não conheço Sayonara Zetusbou Sensei, mas achei Panty & Stocking with Galterbelt, além de ousado e criativo, muito engraçado, Maria+Holic então é simplesmente hilariante.
    Acho que o problema desse gênero é justamente a falta de um enredo. Animes como Bakuman, Deadman, Madoka, são lembrados, e consagrados, principalmente por terem uma trama bem elaborada (?). Um dos argumentos que mais ouço dos chatos que conheço, sobre Maria Holic, por exemplo, é que, embora seja engraçada, a história não se desenvolve. Pode até ser verdade, mas acho que a qualidade do humor da série mais que compensa isso.
    Um ponto em que concordo relativamente com os críticos é que o non-sense é o tipo de comédia boa de se ver ocasionalmente, mas quando se assiste de maneira consecutiva, acaba ficando cansativa.

    ResponderExcluir
  3. @Butecoshonen

    Eu acredito, que o "grande mídia" que a Mazaki se referiu é a especializada (pff, huahuahuaahu), não?

    @Todos
    Bom, primeiro que eu gosto de fazer uma separação entre o humor que estamos todos acostumados á ver e o nonsense, que (na minha visão) tende a ser mais hardore, fato que Mazaki ilustrou bem. O fato dessa "não aceitação", se deve justamente por ser....harcore O_O
    O povo, na maioria das vezes, não consegue entender o que se passa na trama e nonsense tende a ter muitas coisas subtendidas, mensagens subliminares, conotação sexual e "piadinhas" que nem sempre são esfregadas na cara do expectador. Então, é um conjunto de fatores onde a unica coisa que realmente é exposta se trata do lado "grotesco". Sem mencionar que a agilidade dos quadros/cenas é extremamente rápida e idem para os diálogos. Posso estar sendo pessimista, mas nonsense sempre será tratado como um subproduto, algo extremamente de nicho e de certa forma, até numa posição mais privilegiada que animes com temática gore/trash/terror.

    Mas pegamos os animes citados por você.

    Sayonara Zetsubou Sensei: Sucesso de crítica e pelo que vejo, o publico faz uma onda enorme em cima desse titulo.

    Panty e Stoking: Ao que me parece, só não teve a aceitação esperada lá no Japão, pois por aqui o sucesso foi bem grandinho viu. Ao menos, as críticas foram muito boas. Não ganhou uma tonelada de reviews porque néh, é o que você citou no texto, mas adorei a review que recebeu no Subete animes. Mas aqui no Brasil, não vi em outros blogs/sites que tem como foco, animes.

    Maria+Holic: A primeira temporada até que tem sim um enredo/fio condutor bem interessante. A segunda descambou completamente para o nonsense e abriu mão de seguir um enredo padrão mesmo com o nonsense inserido nela. Particularmente, apesar do bom investimento e a proposta (ousada?), acho que está muito aquém da primeira temporada. Preferiria ver um mixto de nonsense bruto, mas que não se esquecessem de seguir uma linha narrativa com foco no desenvolvimento da trama. Eu realmente fico muito curiosa e vou dar uma olhada no mangá, tenho quase certeza que isso ai é o dedinho da Shaft, que transforma uma trama "quase normal" em algo completamente doido.

    E estou terminando de expor meu ponto de vista gente, hehehe. Essa é a temporada com maior numero de animes nonsenses e desses, o único que realmente foi acolhido pelo povo, foi Denpa Onna, que em termos de nonsense, é bem tranquilinho. Mas sabemos que o motivo mesmo é o moe hehehe. Por outro lado, temos Nichijou que nem o character moe conseguiu salvar de seu humor pirado. Considero ele mais nonsense ainda que Maria Holic, mas as pessoas no geral parecem não ter curtido a ideia. E discordo da ideia de que nonsense, seja apenas pra fazer rir.

    Bom, depois de dar muitas voltas, eu digo que o nonsense sempre será um gênero do "gueto" e por N motivos, incluindo os citados por você. Mas com a diversidade, sempre terá um ou outro que terá um certo destaque seja por qual motivo for. Se Panty e Stoking não recebeu a abertura que merecia, é fácil entender o motivo e eu compreendo apesar de não compartilhar da opinião. E pelo mesmo motivo, um bom anime dessa temporada, um excelente nonsense que considero como substituto das anjinhas, Azazel-san, também mergulhará no esquecimento coletivo (oras, já é esquecido hehehe).

    E não podemos esquecer que FLCL é um nonsense dos bravos, faz a cabeça de todos mas ainda assim também não ganhou espaço (talvez por ser antigo e na época, essa onda de blogs/sites ainda ser fraca). E isso trás um outro assunto á tona, que não vou entrar nele pois já escrevi muito, embora tenha me perdido diversas vezes. Excelente post Mazaki, parabéns mais uma vez. ^_^

    ResponderExcluir
  4. @Roberta Caroline

    Não acho que o nonsense seja tão hardcore assim. Tudo bem que quando se tem um conhecimento maior da cultura pop fica muito mais fácil sacar as referências críticas, sátiras e paródias, muito comuns nesse gênero, mas isso não impede um expectador leigo, por assim dizer, de se divertir. Tudo bem que uma pessoa com nenhum conhecimento de animes jamais conseguiria entender a graça de um Excel Saga, por exemplo, mas isso não é motivo de rejeitá-lo completamente. Bem, eu acho que eu acabei mais concordando que discordando no final das contas, mas é isso ai XD.

    ResponderExcluir
  5. Apoiado e Retweetado, Lil-chan!

    E já deixo como dica FLCL e Pani Poni Dash, que foram os animes que me fizeram pegar o gosto pelo nonsense anos atrás, ok?

    ResponderExcluir
  6. uaaaau, pessoal discutindo e opinando pra valer! Valeu gente, essa era a intenção xD

    @butecoshonen

    Sim, como a Beta-chan falou, eu estava me referindo à grande mídia especializada em animes e mangás, que é realmente uma mídia já naturalmente de nicho (alias, falarei sobre coisas relativas futuramente também).

    Beta-chan.... você escreveu mais do que o post! Uhuahuaha, fico feliz com a empolgação xD

    @Rafael Soma

    Valeu Rafa, fico feliz que tenha gostado, vou escrever mais coisas nessa vibe em breve ;)

    Furi Kuri é realmente bom demais, foi o primeiro nonsense que eu peguei em Dvd para assistir, maravilhoso sempre!

    Sempre tive vontade de ver o Pani Poni Dash, tenho as músicas e elas dão uma impressão ótima! =D

    Mas voltando ao tema, só concluo que.... é um humor mais hardcore sim xD (sou rápida para opinar ein), e ainda que seja caricato, muitas vezes existem diversas camadas de críticas nos subtextos desse estilo de obra.

    Ah, e nonsense, pra mim, é um subgênero da comédia.

    *Comentei tudo meio fora de ordem*
    Valeu gente o/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

UQ Holder - o novo mangá de Ken Akamatsu começa com tudo!

A estréia de UQ Holder, nova obra de Ken Akamatsu se deu no mês de agosto deste ano de 2013 e foi cercada de grande expectativa: desta vez o mangaká tinha a intenção clara de fazer um mangá de ação desde o princípio.
Talvez no Brasil o trabalho de Ken Akamatsu não seja tão reconhecido quanto poderia. Sua imagem é muito marcada pelos fanservices de Love Hina. Muitos sequer chegaram a ler sua obra seguinte e de maior sucesso comercial: Mahou Sensei Negima. O plot de um menino cercado de 31 garotas também ajudou a aprofundar o preconceito de leitores que (no meu ver pessoal) parecem valorizar demais a sexualidade nos mangás, esquecendo de analisar outros aspectos como a comédia, e, principalmente, a qualidade dos personagens.


Ken Akamatsu é um mestre em criar personagens cativantes e Negima foi um grande sucesso quando conseguiu mesclar a comédia, esses personagens apaixonantes e uma dose de ação crescente. Lutas muito bem desenhadas estão nas páginas da obra de forma cada vez mais cons…

Sobre o que fala Suzumiya Haruhi, afinal?

Suzumiya Haruhi é uma série de light novels que já conta com 10 volumes e o suspense se irão haver novas publicações ou não. A história ficou mais famosa quando se transformou em anime e então a franquia caiu no gosto do público otaku pelos seus clichês cômicos, personagens carismáticos e uma dancinha viciante para viralizar. Porém muitos acabam julgando que a obra não passa de um entretenimento barato para otakus e que não possui nenhuma mensagem intrínseca. O que é um erro e eu vou dizer o motivo:

Qualquer obra, por mais comercial e batida que seja, pode conter em si uma mensagem, talvez supérflua, talvez profunda, mas não é por causa de questões visuais ou estilísticas que deve ser ignorada essa possibilidade.

Vou citar um exemplo de conhecimento mais comum no mundo do entretenimento para deixar mais simples o entendimento.

Matrix, o filme de 1999, é uma história louca sobre pancadaria alucinada entre realidade e mundo digital? Bom, essa pode ser a cara do filme, com seus efeitos …

Comentários sobre Planetes v.1

Olá a todos!
Esse ano de 2015 tem sido muito bom para leitores de mangá que também são leitores de ficção-científica. Grandes anúncios como Akira e o relançamento de Eden (ambos pela Editora JBC) são alguns dos principais nomes desse momentos, mas outros títulos de peso também chegaram às bancas. Esse é o caso de Planetes, mangá de Mokoto Yukimura, autor também de Vinland Saga (ambos publicados pelo selo Planet Mangá, da Panini).
Comentários sobre a trama



Em um futuro próximo, onde o desenvolvimento da exploração espacial já torna possível a construção de estações e bases em alguns pontos do Sitema Solar, em Planetes acompanhamos a vida de Hoshino Hachirota (ou "Hachimaki", como lhe chamam), um jovem astronauta que tem uma das funções de menor glória: lixeiro espacial. Um trabalho exigente e necessário, mas que não é dos mais gratos.
Temos, além de  outros dois tripulantes na nave Toy Box: Yuri Mihairokov, um russo que tem um motivo bastante distinto. Além deles temos a pilo…