Pular para o conteúdo principal

A "sagada jornada" do otaku sem grana #01 - A ideia

Desculpem, mas sempre fiz piada interna com esse erro no volume 24 de Love Hina =)

Talvez você já tenha passado por isso, talvez não(todos esperamos que não ne). 

Lá no início dos anos 2000, quando os mangás de fato começaram a figurar de modo definitivo nas bancas brasileiras foi uma festa para todos os mais e menos jovens que tinham carinho ou curiosidade por esta forma de cultura. E foi a passos nem tão rápidos que esse mercado foi crescendo até chegar ao momento atual, que, diga-se de passagem, está realmente muito, mas muito, melhor do que a poucos anos, ainda que (obviamente) existam vários pontos que precisam de melhoras.

Enfim, o que estou tentando colocar aqui é o seguinte - ler mangá não é um hobbie barato. Infelizmente mesmo, tem muitas pessoas que não tem uma brechinha nem de 9,90 para poder ter um pouco desse entretenimento. Não é barato manter o costume de leitura e a quantidade e variedade do mercado só agravam isto. Só estou aqui colocando que, talvez você, mas com certeza muita gente por aí, de pré-adolescentes à adultos que se esforçam 6 dias por semana para ganhar seu injusto salário para sustento, não tem realmente muitas vezes condições de ter o seu lazer, uma leitura.

Um pouco mais de grana evitaria torcicolos de muitas pessoas

Mas calma, não estou aqui para politizar e vir dizer que os preços dos mangás são injustos. Existem regras e necessidades que tornam praticamente todos os tipos de cultura, lazer e entretenimento no nosso país caro até demais para nossos padrões salariais.

Mas se você nunca passou por isso ou acha que quem não tem graninha pra um cinema e/ou mangá deveria ir ver novela. . . Bem, deve haver um botão de fechar esta aba bem próximo a você, utilize-o o quanto antes =)

Essa realidade é bem recorrente, tanto entre os adolescentes que não tem dinheiro da merenda o bastante para economizar como para quem tem que pagar aluguel e, quem sabe até já sustentar uma família ( é, otakus também crescem. . .). E, alias, alguém já adivinhou porque estou hoje com esse discurso tão sentimental?

Porque, como uma dentro tantos apreciadores e viciados na cultura pop japonesa que não tem tostôes o bastante para poder entrar naquela comum (sim, realmente comum) e esnobe rodinha de "quem tem a piramide de figures, mangás, dvds maior ganha", estou aqui para compartilhar um pouco desse estilo de vida "i a no-money-otaku"de maneira descontraída, mostrando todos os desafios de levar os vícios num mundo onde 1+1 não pode ser 29,90 para a novel de Death Note.

Sim, eu sei que quem vive esse "pp life style" sabe como é dureza!

Só quem passa por isso entende a felicidade de comprar seu mangá XD


E porque essa ideia agora? Porque, graças à incrível, careira, mas de boa qualidade, Editora NewPop, aqui estou eu de volta ao mundo das compras mangalípticas (nossa, quantos anos eu não usava esse termo!). Então, você, que está interessado nessa ideia, segure-se no lugar, pois o orçamento é mais limitado do que verba real para merenda escolar, mas a viagem será agradável!

Até o próximo post, onde falarei do meu primeiro mês vivendo esse desafio de voltar a ser leitora compulsiva de mangás, enfrentando limites escandalosos!

Comentários

  1. Saudações


    Lilian, eu entendo bem a situação.
    Vivenciei bem a época do início dos mangás no Brasil (Love Hina não me deixa mentir) e, em dada época, também tinha minhas aventuras para adquirir os mangás que queria...

    Quanto à NewPOP: bom, que sabe do que você gosta, sabe o que se espera e de que título se trata, certo (tal como na citação que fiz sobre ti na última postagem do meu blog).

    Até mais!

    ResponderExcluir
  2. Estamos trilhando o mesmo caminho. Fiquei muito tempo sem comprar mangás, e há pouco tempo voltei a comprar, e realmente está sendo difícil tendo tantas coisas legais sendo lançadas.

    Mas bem espero que a sua jornada pela mais feliz sueca minha. :)

    ResponderExcluir
  3. Por isso que eu digo:
    Não pode ter? Tira foto!
    Devia ver o monte de imagens que eu tenho no PC de coisas que eu quero, mas não tenho grana XD

    ResponderExcluir
  4. Não ganhava mesada, então eu raramente lia algum manga, mas acho que isso nunca me incomodou realmente.
    Tudo bem que é chato não poder comprar tudo que se quer, mas, por isso mesmo, evitava ao máximo ficar almejando aquilo que estivesse fora das minha possibilidades, e quando uma possibilidade surgia, procurava ser o mais seleto possível.
    Mesmo que eu tenha feito poucas aquisições, não me arrependo de nenhuma delas, bem como não me sinto nem um pouco frustrado por não ter uma grande coleção.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

UQ Holder - o novo mangá de Ken Akamatsu começa com tudo!

A estréia de UQ Holder, nova obra de Ken Akamatsu se deu no mês de agosto deste ano de 2013 e foi cercada de grande expectativa: desta vez o mangaká tinha a intenção clara de fazer um mangá de ação desde o princípio.
Talvez no Brasil o trabalho de Ken Akamatsu não seja tão reconhecido quanto poderia. Sua imagem é muito marcada pelos fanservices de Love Hina. Muitos sequer chegaram a ler sua obra seguinte e de maior sucesso comercial: Mahou Sensei Negima. O plot de um menino cercado de 31 garotas também ajudou a aprofundar o preconceito de leitores que (no meu ver pessoal) parecem valorizar demais a sexualidade nos mangás, esquecendo de analisar outros aspectos como a comédia, e, principalmente, a qualidade dos personagens.


Ken Akamatsu é um mestre em criar personagens cativantes e Negima foi um grande sucesso quando conseguiu mesclar a comédia, esses personagens apaixonantes e uma dose de ação crescente. Lutas muito bem desenhadas estão nas páginas da obra de forma cada vez mais cons…

Sobre o que fala Suzumiya Haruhi, afinal?

Suzumiya Haruhi é uma série de light novels que já conta com 10 volumes e o suspense se irão haver novas publicações ou não. A história ficou mais famosa quando se transformou em anime e então a franquia caiu no gosto do público otaku pelos seus clichês cômicos, personagens carismáticos e uma dancinha viciante para viralizar. Porém muitos acabam julgando que a obra não passa de um entretenimento barato para otakus e que não possui nenhuma mensagem intrínseca. O que é um erro e eu vou dizer o motivo:

Qualquer obra, por mais comercial e batida que seja, pode conter em si uma mensagem, talvez supérflua, talvez profunda, mas não é por causa de questões visuais ou estilísticas que deve ser ignorada essa possibilidade.

Vou citar um exemplo de conhecimento mais comum no mundo do entretenimento para deixar mais simples o entendimento.

Matrix, o filme de 1999, é uma história louca sobre pancadaria alucinada entre realidade e mundo digital? Bom, essa pode ser a cara do filme, com seus efeitos …

Comentários sobre Planetes v.1

Olá a todos!
Esse ano de 2015 tem sido muito bom para leitores de mangá que também são leitores de ficção-científica. Grandes anúncios como Akira e o relançamento de Eden (ambos pela Editora JBC) são alguns dos principais nomes desse momentos, mas outros títulos de peso também chegaram às bancas. Esse é o caso de Planetes, mangá de Mokoto Yukimura, autor também de Vinland Saga (ambos publicados pelo selo Planet Mangá, da Panini).
Comentários sobre a trama



Em um futuro próximo, onde o desenvolvimento da exploração espacial já torna possível a construção de estações e bases em alguns pontos do Sitema Solar, em Planetes acompanhamos a vida de Hoshino Hachirota (ou "Hachimaki", como lhe chamam), um jovem astronauta que tem uma das funções de menor glória: lixeiro espacial. Um trabalho exigente e necessário, mas que não é dos mais gratos.
Temos, além de  outros dois tripulantes na nave Toy Box: Yuri Mihairokov, um russo que tem um motivo bastante distinto. Além deles temos a pilo…