Pular para o conteúdo principal

Bouken-Ni #03 - As Crônicas do Animeke 1

Mais uma tirinha do infame Bouken-Ni chegando! o/

Agradeço mais uma vez todos os comentários e peço desculpas para aqueles que eu não respondi, minha vida sem internet em casa está realmente problemática, até atrapalhando umas coisas que ando aprontando em equipe para o BN ;D

Mas, chega de papo e vamos a Bouken-Ni!







Já passei por essas várias vezes, na minha vida de apresentadora do "Animeke Club Manaus". Bons tempos.

Comentários

  1. Saudações


    Ao mesmo tempo que esta tirinha mostra a faceta de uma verdade cruel, ela também deixa em evidência a necessidade dos fãs diversificarem um pouco mais as coisas...

    Estarei filosofando aqui!? Espero que não...

    No aguardo da próxima tirinha!


    Até mais!

    ResponderExcluir
  2. mas não se pode negar que Pegasus Fantasy é uma música icônica, marcou muito. Sem contar o fato de não ser tão dificil de cantar o que aumenta o numero de pessoas que arriscam ela no animekê

    ResponderExcluir
  3. Algumas músicas tem dessas coisas... nas antigas com certeza a mais popular é Pegasus Fantasy. Das não tão novas é Haruka Kanata (mesmo que o cara falhe em soltar os gritos do Masafumi) ou alguma de Death Note... Mas ainda assim quero ver é alguém acertar o ritmo de alguma música do ALI PROJECT, LMAO.

    ResponderExcluir
  4. Mazaki, parabéns pela tirinha! Fiz a edição TOTALMENTE feliz pela critica aos otakus nostálgicos/repetitivos demais XD

    @LeoKusanagi Verdade, ALI PROJECT é pra otaku viciado for real, ainda bem que não gosto muito (HUAHUAHUAHUA).

    Ou também como diria a Mara (mais de oito mil) sobre 1/3 junjou na kanjou: "Como ninguém têm capacidade de cantar Sobakasu ou ½, escolheram essa música para cagarem com as memórias de nossas infâncias."

    Resumindo, parabéns Mazaki e eu juro que me esforço editando XD

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

UQ Holder - o novo mangá de Ken Akamatsu começa com tudo!

A estréia de UQ Holder, nova obra de Ken Akamatsu se deu no mês de agosto deste ano de 2013 e foi cercada de grande expectativa: desta vez o mangaká tinha a intenção clara de fazer um mangá de ação desde o princípio.
Talvez no Brasil o trabalho de Ken Akamatsu não seja tão reconhecido quanto poderia. Sua imagem é muito marcada pelos fanservices de Love Hina. Muitos sequer chegaram a ler sua obra seguinte e de maior sucesso comercial: Mahou Sensei Negima. O plot de um menino cercado de 31 garotas também ajudou a aprofundar o preconceito de leitores que (no meu ver pessoal) parecem valorizar demais a sexualidade nos mangás, esquecendo de analisar outros aspectos como a comédia, e, principalmente, a qualidade dos personagens.


Ken Akamatsu é um mestre em criar personagens cativantes e Negima foi um grande sucesso quando conseguiu mesclar a comédia, esses personagens apaixonantes e uma dose de ação crescente. Lutas muito bem desenhadas estão nas páginas da obra de forma cada vez mais cons…

Sobre o que fala Suzumiya Haruhi, afinal?

Suzumiya Haruhi é uma série de light novels que já conta com 10 volumes e o suspense se irão haver novas publicações ou não. A história ficou mais famosa quando se transformou em anime e então a franquia caiu no gosto do público otaku pelos seus clichês cômicos, personagens carismáticos e uma dancinha viciante para viralizar. Porém muitos acabam julgando que a obra não passa de um entretenimento barato para otakus e que não possui nenhuma mensagem intrínseca. O que é um erro e eu vou dizer o motivo:

Qualquer obra, por mais comercial e batida que seja, pode conter em si uma mensagem, talvez supérflua, talvez profunda, mas não é por causa de questões visuais ou estilísticas que deve ser ignorada essa possibilidade.

Vou citar um exemplo de conhecimento mais comum no mundo do entretenimento para deixar mais simples o entendimento.

Matrix, o filme de 1999, é uma história louca sobre pancadaria alucinada entre realidade e mundo digital? Bom, essa pode ser a cara do filme, com seus efeitos …

Comentários sobre Planetes v.1

Olá a todos!
Esse ano de 2015 tem sido muito bom para leitores de mangá que também são leitores de ficção-científica. Grandes anúncios como Akira e o relançamento de Eden (ambos pela Editora JBC) são alguns dos principais nomes desse momentos, mas outros títulos de peso também chegaram às bancas. Esse é o caso de Planetes, mangá de Mokoto Yukimura, autor também de Vinland Saga (ambos publicados pelo selo Planet Mangá, da Panini).
Comentários sobre a trama



Em um futuro próximo, onde o desenvolvimento da exploração espacial já torna possível a construção de estações e bases em alguns pontos do Sitema Solar, em Planetes acompanhamos a vida de Hoshino Hachirota (ou "Hachimaki", como lhe chamam), um jovem astronauta que tem uma das funções de menor glória: lixeiro espacial. Um trabalho exigente e necessário, mas que não é dos mais gratos.
Temos, além de  outros dois tripulantes na nave Toy Box: Yuri Mihairokov, um russo que tem um motivo bastante distinto. Além deles temos a pilo…