Pular para o conteúdo principal

Bouken-Ni - Apresentação


Imagine uma pessoa que tenha uma enorme vontade de desenhar quadrinhos e goste de mangá.

Até aí parece tudo bem, mas vamos acrescentar alguns detalhes.

Essa pessoa não o mínimo de talento necessário para realmente fazer belos desenhos ao estilo mangá. (Vão dizer que um mangá com desenho tosco não é digno de resenhas e mais resenhas negativas [que inutilidade]).

E para tornar isto mais perigoso ainda, a pessoa em questão é admiradora profunda de comédias nonsense.

Pois bem, senhoras e senhores, é um cenário triste (Desesperador, segundo Itoshiko Nozomu) como este que me faz trazer o lançamento, neste insignificante espaço, de Bouken-Ni!

Logo original criado em abril de 2011, com slogan tosco e tudo


Mas o que é isso?!

Quem conhece este (mal-cuidado) espaço desde 2009 pode recordar da curta série de historias sobre cotidiano otaku que foram publicadas aqui. A série em questão havia sido chamada de Mazaki no Bouken e meu desenho, desde aquela época, era lançar as histórias em formato de quadrinhos, porém por falta de ajuda com arte-final e a minha REAL falta de talento, acabei abandonando o projeto.

Alguns anos passaram, eu continuo desenhando muito mal, porém venceram meus anseios por desenhar, mesmo sabendo minhas limitações. Alguns personagens saíram, outros mudaram de nome e temos finalmente a tal série sobre "ser um otaku brasileiro".

Bouken-Ni, não é difícil notar, foi somente um aproveitamento do primeiro nome junto com um sufixo para demonstrar a continuidade (se eu abandonar o projeto, um dia ele retornaram como Bouken-San! [not]).

Na verdade pouco importa o significado, é pra ser estranho (é a ideia sabe). Então vamos aos pormenores.

A história (?)

"Era uma vez um grupo, bizarro, de otakus brasileiros, vivendo suas vidas estranhas e bizarras. Fim"

Próximo tópico!

Personagens

Como uma comédia impertinente, busquei representar diversos estereótipos que nesse nosso nicho sempre encontramos. Ainda que sejam todos baseados em características que também são minhas, talvez em alguns momentos alguém possa se sentir incomodado com as críticas nada veladas (é o que mais espero!).


Mazaki - É neste momentos que vemos o quanto uma pessoa é egocêntrica, não? A verdade é que todos os autores se colocam de alguma forma dentro de suas histórias, estou sendo apenas mais sincera, por assim dizer. Mazaki é a otaku megalomaníaca, sempre acreditando que pode descobrir algum meio de revolucionar todo o meio otaku, ainda que seja na verdade só uma sonhadora e esperançosa que nunca faz nada acontecer (que familiar isto! testemunhem o poder da auto-crítica XD).




No-Name - O otaku mais velho e saudosista. Nunca revelou seu verdadeiro nome para os outros, dando-se este pseudônimo. Acredita que todos os mangás eram mais sensatos no passado, que a televisão era mais sensata no passado, que os autores do passado desenhavam com mais amor, que as editoras do passado faziam os cortes nas histórias de maneira mais amorosa e que os mangás tinham um charme especial quando custavam 2,90. Por ser o personagem mais velho, também acaba sendo, em alguns momentos, a voz mais "sensata" (como se alguém que tem Zetsubou Sensei e PSG como inspiração de vida pudesse fazer quadrinhos com momentos de sensatez #tsc).


Tsun - Ainda que tenha este nome a verdade é que ela representaria melhor o papel de "Marvin" (O guia do mochileiro das galáxias) na história, ou seja, é o personagem extremamente realista para o lado negativo das coisas. Mantem-se normalmente em silêncio durante as acaloradas discussões dos outros, apenas manifestando-se para destruir todos os argumentos e esperanças no coração de todos.






John - O irmão mais novo de Mazaki, é o garoto fascinado pelo mundo dos animes e mangás, extremamente fã de Bleach e de qualquer outro shounen ao qual for apresentado. Por ainda não conhecer direito este universo cheio de fanservice e amoral das obras japonesas, acaba sendo o personagem mais curioso, investigando e descobrindo verdades que ameaçam sua inocência como aprendiz de otaku.






Mimimi - Se você achava que os nomes estavam meio toscos, deixei os melhores para o final. A definição de Mimimi é parecida com a de uma personagem de Zetsubou Sensei, ou seja - exatamente isto que você está vendo. Reclama de tudo, de todos, do universo, das páginas do mangá, da Ação Magazine, de blogs, da Shounen Jump, do fanservice, dos planos insensatos de Mazaki, de estar num quadrinho mal desenhado e de qualquer outra coisa que você possa imaginar.





Pseudo-Cult - Por fim, aquele que é muito superior a todos os "otakus descerebrados" e amante de obras de nível filosófico superior (e questionável) como Evangelion, tudo do Ikuhara-sensei e Madoka Magica. Conclama aos quatro ventos o baixo nível de conhecimentos especializados dos outros personagens e não perde a chance de iniciar uma discussão analítica da profundida psicológica dos personagens mais complexos ou ignorados da indústria da animação japonesa. Claro, não se auto-denomina otaku, mas sim um fã da cultura pop japonesa.




Se minha pífia auto-confiança resistir até a "terceira temporada" ainda tenho outros personagens bizarros no bolso para acrescentar!


Publicação e periodicidade, se os deuses quiserem!

Estou passando diversas horas que deveria gastar dormindo em claro, para que consiga publicar uma tirinha (4panel) uma vez por semana, às quintas-feiras (Desenhar é rápido, agora pense no trabalho psicológico para não rasgar as folha de papel com aqueles rabiscos malditos que chamo de desenhos). Se ocorrerem atrasos, irei jogar toda a culpa em cima da arte finalista, minha parceira de tantos projetos @SechanKV, mas saibam desde já que se isto acontecer será realmente por minha culpa (mas ainda vou me defender dizendo que fazer TCC é trabalhoso, ok?).

Com o passar do tempo, se o projeto perdurar, tenho a intensão de apresentar um conteúdo maior e mais diversificado. Quem sabe vocês possam mentir bastante, vertendo alguns elogios frios e falsos para que isto aconteça?! #esperanças



Bom, este projeto pequeno e pessoal realmente pode (espero) soar bem estranho aos olhos alheios, mas, sendo bem franca, se eu não me permitisse fazer o que tanto tenho anseios, desde muitos anos antes do lançamento do Mundo Mazaki, eu simplesmente fecharia o blog e iria ir escrever livros como "Suzumiya Haruhi e a Filosofia". Pra mim, apenas falar das obras dos outros, sem dar minha contribuição amadora e realmente descartável não é válido e eu não poderia dormir tranquila apenas falando como Angel Beats é fraco ou Black Rock Shooter é a ruína do Noitamina.

Não seria por muito falar e pouco fazer que nosso mercado de quadrinhos, especialmente o inspirado no mangá, ainda é tão pequeno e tímido?

E sim, eu falo muito mal dos meus desenhos por que sou perfeccionista e estou me preparando sempre para as críticas ainda mais dolorosas que poderei receber a qualquer momento.

Enfim, dane-se tudo e vamos ver o que acontece com Bouken-Ni!



Comentários

  1. Primeiro, adorei a ideia. E já de cara, notei esteriótipos nesses seus personagens.
    Estou só no aguardo.

    P.S.: perguntei, no Twitter, se os seus desenhos foram feitos no paint...Mas, é por causa da simplicidade deles.

    ResponderExcluir
  2. Saudações


    Alusões à vida real deverão ser incorporadas em seu trabalho, amiga Mazaki. Isto está mais do que nítido.

    Como bem ressaltou a Suzi no comentário acima, quero acompanhar o seu trabalho e estou no aguardo do lançamento dele.

    Novidades para breve? Quem sabe, não é mesmo? Até porque, TCC não é algo fácil...

    Sucesso!



    Até mais!

    ResponderExcluir
  3. Eu sei que a minha edição de Photoshop não é das melhores, mas não precisava acabar comigo Suzi Hahaha

    A Mazaki que desenhou, eu digitalizei e editei no Photoshop CS5.

    Enquanto a Mazaki acha que desenha mal, eu acho que eu edito mal XD

    Boa sorte Mazaki!

    ResponderExcluir
  4. UHEUHEHUHUEHUE já identifiquei ai algumas críticas veladas. Será que eu devo mencionar nomes? HEHEHEHE

    Estou a espera, okay?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

UQ Holder - o novo mangá de Ken Akamatsu começa com tudo!

A estréia de UQ Holder, nova obra de Ken Akamatsu se deu no mês de agosto deste ano de 2013 e foi cercada de grande expectativa: desta vez o mangaká tinha a intenção clara de fazer um mangá de ação desde o princípio.
Talvez no Brasil o trabalho de Ken Akamatsu não seja tão reconhecido quanto poderia. Sua imagem é muito marcada pelos fanservices de Love Hina. Muitos sequer chegaram a ler sua obra seguinte e de maior sucesso comercial: Mahou Sensei Negima. O plot de um menino cercado de 31 garotas também ajudou a aprofundar o preconceito de leitores que (no meu ver pessoal) parecem valorizar demais a sexualidade nos mangás, esquecendo de analisar outros aspectos como a comédia, e, principalmente, a qualidade dos personagens.


Ken Akamatsu é um mestre em criar personagens cativantes e Negima foi um grande sucesso quando conseguiu mesclar a comédia, esses personagens apaixonantes e uma dose de ação crescente. Lutas muito bem desenhadas estão nas páginas da obra de forma cada vez mais cons…

Sobre o que fala Suzumiya Haruhi, afinal?

Suzumiya Haruhi é uma série de light novels que já conta com 10 volumes e o suspense se irão haver novas publicações ou não. A história ficou mais famosa quando se transformou em anime e então a franquia caiu no gosto do público otaku pelos seus clichês cômicos, personagens carismáticos e uma dancinha viciante para viralizar. Porém muitos acabam julgando que a obra não passa de um entretenimento barato para otakus e que não possui nenhuma mensagem intrínseca. O que é um erro e eu vou dizer o motivo:

Qualquer obra, por mais comercial e batida que seja, pode conter em si uma mensagem, talvez supérflua, talvez profunda, mas não é por causa de questões visuais ou estilísticas que deve ser ignorada essa possibilidade.

Vou citar um exemplo de conhecimento mais comum no mundo do entretenimento para deixar mais simples o entendimento.

Matrix, o filme de 1999, é uma história louca sobre pancadaria alucinada entre realidade e mundo digital? Bom, essa pode ser a cara do filme, com seus efeitos …

Comentários sobre Planetes v.1

Olá a todos!
Esse ano de 2015 tem sido muito bom para leitores de mangá que também são leitores de ficção-científica. Grandes anúncios como Akira e o relançamento de Eden (ambos pela Editora JBC) são alguns dos principais nomes desse momentos, mas outros títulos de peso também chegaram às bancas. Esse é o caso de Planetes, mangá de Mokoto Yukimura, autor também de Vinland Saga (ambos publicados pelo selo Planet Mangá, da Panini).
Comentários sobre a trama



Em um futuro próximo, onde o desenvolvimento da exploração espacial já torna possível a construção de estações e bases em alguns pontos do Sitema Solar, em Planetes acompanhamos a vida de Hoshino Hachirota (ou "Hachimaki", como lhe chamam), um jovem astronauta que tem uma das funções de menor glória: lixeiro espacial. Um trabalho exigente e necessário, mas que não é dos mais gratos.
Temos, além de  outros dois tripulantes na nave Toy Box: Yuri Mihairokov, um russo que tem um motivo bastante distinto. Além deles temos a pilo…