Pular para o conteúdo principal

Music Day - Midori No Hibi

Odiado por muitos (como o pessoal do Video Quest), simpatizado por outros (como o Carlírio do blog Netoin!) e amado por alguém que eu não conheço, este anime é conhecido popularmente como "aquela bizarrice onde o cara tem uma garota no lugar da mão". Seja com mérito ou não, Midori No Hibi sempre divide opiniões.

Não vou entrar em méritos de trama ou de qualidade, ou se é realmente uma comédia relaxante para não pensar muito, ou uma bizarisse que somente otakus doentios poderiam simpatizar (e a minha irmã de mais trinta e cinco que só assistiu Sakura Card Captor). O papo de hoje é musical e, sim, eu acho a trilha de Midori Days boa!

Sentimental - OP

Uma nerdice que sempre me ocorre ao escutar as músicas dessa série é como as composições feitas para a personagem de K-On!, Manabe Nodoka, tem um estilo semelhante! Realmente não existe uma ligação clara, apenas o estilo semelhante, o que torna os temas desta personagem também bastante agradáveis aos ouvidos.





Mousukoshi. . . Mousukoshi

Agora sim chegamos ao grande motivo para esta postagem, para eu ter vontade de xingar as pessoas que não analisam cada parte de uma obra separadamente, generalizando tudo (outras obras que me geram este efeito são Angel Beats e Sora no Woto!). O tema de encerramento dos episódios da série, uma canção agradável que por diversas vezes (não foram poucas) já que questionaram, com tom de surpresa, "mas de que anime é essa música tão boa?!".

Ainda que não tenha tido trabalhos em animes populares com o grande público, Saori Atsumi também participou da trilha de Genshiken e Kujibiki Unbalance.



Coffe

Música que acompanha o single de Mousukoshi Mousukoshi. Genial





Ah, só para deixar registrado: eu me diverti um bocado vendo Midori no Hibi. Não sei se conseguiria assistir novamente, mas foi uma tarde cheia de risadas ^^

Até a próxima!

Comentários

  1. Saudações


    Meu comentário se baseará na proposta de seu texto, Mazaki. E devo concordar contigo sobre o tema de encerramento do anime...

    Trata-se de um áudio relaxante e carismático. Gosto desta música, que tem de ser apreciada com vontade. E sim, depois que o pessoal descobre sobre qual anime pertence a música, chove a famosa sessão de: "não acredito nisso!".

    Há um outro anime que gostaria de destacar o tema de encerramento, por possuir similar característica. Trata-se de Futakoi Alternative, e a música chama-se "Bokura no Jikan" (um de meus preferidos temas de animes). Não sei se já a escutou, mas experimente. Será muito agradável para ti, certamente gostarás...

    Ótimo texto.


    Até mais!


    OBS: grato por fazer ligação com a minha review sobre o anime.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

UQ Holder - o novo mangá de Ken Akamatsu começa com tudo!

A estréia de UQ Holder, nova obra de Ken Akamatsu se deu no mês de agosto deste ano de 2013 e foi cercada de grande expectativa: desta vez o mangaká tinha a intenção clara de fazer um mangá de ação desde o princípio.
Talvez no Brasil o trabalho de Ken Akamatsu não seja tão reconhecido quanto poderia. Sua imagem é muito marcada pelos fanservices de Love Hina. Muitos sequer chegaram a ler sua obra seguinte e de maior sucesso comercial: Mahou Sensei Negima. O plot de um menino cercado de 31 garotas também ajudou a aprofundar o preconceito de leitores que (no meu ver pessoal) parecem valorizar demais a sexualidade nos mangás, esquecendo de analisar outros aspectos como a comédia, e, principalmente, a qualidade dos personagens.


Ken Akamatsu é um mestre em criar personagens cativantes e Negima foi um grande sucesso quando conseguiu mesclar a comédia, esses personagens apaixonantes e uma dose de ação crescente. Lutas muito bem desenhadas estão nas páginas da obra de forma cada vez mais cons…

Sobre o que fala Suzumiya Haruhi, afinal?

Suzumiya Haruhi é uma série de light novels que já conta com 10 volumes e o suspense se irão haver novas publicações ou não. A história ficou mais famosa quando se transformou em anime e então a franquia caiu no gosto do público otaku pelos seus clichês cômicos, personagens carismáticos e uma dancinha viciante para viralizar. Porém muitos acabam julgando que a obra não passa de um entretenimento barato para otakus e que não possui nenhuma mensagem intrínseca. O que é um erro e eu vou dizer o motivo:

Qualquer obra, por mais comercial e batida que seja, pode conter em si uma mensagem, talvez supérflua, talvez profunda, mas não é por causa de questões visuais ou estilísticas que deve ser ignorada essa possibilidade.

Vou citar um exemplo de conhecimento mais comum no mundo do entretenimento para deixar mais simples o entendimento.

Matrix, o filme de 1999, é uma história louca sobre pancadaria alucinada entre realidade e mundo digital? Bom, essa pode ser a cara do filme, com seus efeitos …

Comentários sobre Planetes v.1

Olá a todos!
Esse ano de 2015 tem sido muito bom para leitores de mangá que também são leitores de ficção-científica. Grandes anúncios como Akira e o relançamento de Eden (ambos pela Editora JBC) são alguns dos principais nomes desse momentos, mas outros títulos de peso também chegaram às bancas. Esse é o caso de Planetes, mangá de Mokoto Yukimura, autor também de Vinland Saga (ambos publicados pelo selo Planet Mangá, da Panini).
Comentários sobre a trama



Em um futuro próximo, onde o desenvolvimento da exploração espacial já torna possível a construção de estações e bases em alguns pontos do Sitema Solar, em Planetes acompanhamos a vida de Hoshino Hachirota (ou "Hachimaki", como lhe chamam), um jovem astronauta que tem uma das funções de menor glória: lixeiro espacial. Um trabalho exigente e necessário, mas que não é dos mais gratos.
Temos, além de  outros dois tripulantes na nave Toy Box: Yuri Mihairokov, um russo que tem um motivo bastante distinto. Além deles temos a pilo…