Pular para o conteúdo principal

Coluna do Pseudo-Cult: A fraude chamada K-On!


K-On! Um mangá de qualidade não mais do que comum, super valorizado por atributos que ganhou somente por causa da versão bem-financiada em animação, produzida pela Kyoto Animation. Uma franquia que gera um lucro absurdo sem responder com o que de mais fundamental uma obra pode dar: um bom conteúdo.

Essa é a tremenda fraude apelidada de Keion.


Argumentação

Existem diversos pontos simples para compreendermos a verdadeira dimensão desta dita "fraude" (a verdade da total falta de valor dessa história). Vamos explorar vários deles começando pelo mais primordial ponto: o fato de K-On! ser um mangá do estilo Yon-Koma.

Ser um yonkoma acarreta a K-On! características e defeitos por si só. A quadrinização fixa e limitações que esta traz em termos de fotografia das cenas acarreta a todos os yonkomas a falta de impacto visual, o que é a característica que mais diferencia o quadrinho nipônico do ocidental. Sangrias de quadros, linhas de ação ou dramaticidade elevada não estão presentes em K-On! como em nenhum outro yonkoma. Então como poderíamos colocar qualidades em um mangá que é incapaz de conter o melhor das qualidade de arte sequencial deste estilo?

Talvez há de se contra-argumentar o fato de este ponto de vista englobar todos os yonkomas em um nível inferior de mangá. Impreterivelmente, caro leitor, devo apenas afirmar este ponto. Sim, você por acaso consegue encontrar em enredo profundo em um yonkoma como em um Vagabond da vida? Realmente o valor dos yonkomas não é muito superior aos das nossas costumeiras tiras de jornal, afinal a arte usada dessa maneira tão irresponsável não pode ser levada a sério como algo de verdade.

O estilo yonkoma também impõe a K-On! outra de suas características deploráveis: as pequenas-piadas-sem-tanta-graça. Ou seja, como qualquer 4-panel, o entretenimento de K-On! é causado pelo acúmulo de pequenas piadas em um curto espaço de tempo, o que causa no leitor a sensação ilusória de que está sempre se divertindo. Particularmente eu me sentiria sempre quase me divertindo, o que não é nada bom.

Próximo ponto: as personagens.

Muitos dos fãs de K-On! atribuem ao grande carisma de suas personagens o sucesso da série. O que é minimamente obscuro, afinal todas elas não passam de clichês batidos de comédias escolares com muito menos profundidade e valor do que qualquer coadjuvante de School Rumble.

A garota cabeça de vento e protagonista. A energética. A tímida. A meiga. A tsundere. Todas regadas a um nível de moe sem precedente. Quem se sente mesmo atraído e emocionado com essa caricaturas forçadas de amor e felicidade deveria começar a rever seus conceitos antes que se esqueça completamente do mundo real. Alias, fãs, pessoas como elas seriam insuportáveis na vida real. Pensem nisso.

E além de partir de personagens medíocres, K-On! faz questão de mantê-los o mais pobres o possível do começo ao fim da "trama". Não há desenvolvimento de qualquer nível na personalidade ou maturidade daquelas garotas que vivem no universo doce onde até as núvens são de algodão doce. O que você irá ver será somente o uso desgastante da parte moe daqueles personagens. . . personagens. 

Ainda poderíamos nos detalhar mais na falta de coerência e verossimilhança que as personagens de K-On! apresentam constantemente, mas vamos deixar isso de lado para partir para o ponto mais falso e degradante deste espetáculo que arranca o dinheiro de tantos otakus carentes.

Sim, estou me referindo, caros, ao lado musical de K-On!



Primeiro temos que lembrar que o mangá não tem nada além de algumas propagandas embutidas de instrumentos em seu conteúdo raso. Ainda assim sempre aparecem as estatísticas de "a vendas de instrumentos aumentou por causa de K-On! É um fenômeno!". Eu ficaria satisfeito se eles tivessem feito uma medição também do percentual de instrumentos parados no canto do quarto de jovens, por que isso aumentou dezenas de vezes mais do que a quantidade de jovens músicos promissores, isso é fato.

A grande explosão dos instrumentos-figma que enfeitam seu quarto! Vocês me fazem rir, fãs.

K-On! não é musical, nem como mangá, nem como anime, mesmo com todo o investimento financeiro da Kyoto Animation em contratar os melhores profissionais do "fazer-canções-que-grudam-na-cabeça". Isso porque a maneira como a música é retratada na série é completamente irreal e até ridícula para qualquer um que saiba qual é a tecla do dó central num piano.

Em K-On! não é preciso praticar ou esforçar-se para ser um grande guitarrista, isso irá acontecer de alguma maneira mágica quando você estiver tocando com seus amigos. Você pode ter ideias de letras que não fazem o menor sentido, mas de alguma forma a melodia vai fazer multidões repetirem seus versos tão inteligentes quanto sertanejo universitário. 

Por esses e outros pontos a parte musical de K-On! só colabora é para a fraude total que é este sucesso comercial.

A única conclusão lógica e plausível que é possível ver, com olhos de verdadeira análise da questão, para o fenômeno K-On! (que trouxe essa penca de outros yonkomas intragáveis para os animes) é a grande capacidade de entender o seu mercado que a KyoAni teve ao investir nesse mangá que nunca passaria de um mediano baixo em uma revista sem qualquer visibilidade para o público externo ao otaku hardcore.

Foi o fato de perceber claramente que era o momento de investir em um super hit moe que fez a felicidade dos acionistas da Kyoto Animation e do misterioso Kakifly. Os únicos bolsos vitorioso nessa questão, senhores fãs que queimam dinheiro em figmas.

Não precisa dizer mais nada dessa fraude, não é?



Palavras do redator

Caros amigos, eis que finalmente eu, Pseudo-Cult, ganhei meu espaço neste blog de terceira categoria! Para quem não me conhece, sugiro que leia as tiras do Bouken-ni, publicadas semanalmente (quando a autora tem essa capacidade) aqui no mundo Mazaki. Resumindo eu sou um novo redator que pretende trazer para vocês verdadeiros artigos críticos, bem elaborados e explanados sobre o fascinante e profundo universo da animação japonesa.

Comentários e sugestões para próximos temas são muito bem vindos, afinal eu, como um bom pesquisador do mundo da animação japonesa, sei bem que a diversidade de conteúdo é tamanha que novos horizontes podem ser mostrados a qualquer momento, por qualquer opinião (exceto daqueles que leêm a Shonen Jump, estes tem a visão mais limitada do que a Mazaki sem óculos).

Vejo vocês no próximo artigo!

**PS: Este texto contém ironia (se não percebeu. . .)
***PS[2]: "Pseudo-Cult" é um personagem fictício da web-série em tiras Bouken-Ni, publicada no blog Mundo Mazaki desde janeiro de 2012.

Comentários

  1. Saudações


    Agora a espera é pela próxima citação que será feita pelo Pseudo-cult.

    Será um anime? Um mangá? Um blog? São muitas as opções...

    Ótima ideia, Mazaki. Parabéns.



    Até mais!

    ResponderExcluir
  2. Sabe que eu acho que é o contrário? os pseudo-cult (ao menos, os do Brasil) não falam mal de K-ON.
    E eu gostei do texto (e se não me engano, você gosta da série)

    ResponderExcluir
  3. Ai, ai, ficar sem internet me fez atrasar, mas também, depois de " você pode ter ideias de letras que não fazem o menor sentido, mas de alguma forma a melodia vai fazer multidões repetirem seus versos tão inteligentes quanto sertanejo universitário" é um argumento quase impossível de rebater...

    Pseudo-Cult, pode xingar a vontade, mas o moe-moe-kyun dessa garotinhas compra qualquer um, inclusive, se não me engano, a Mazaki! Vai dizer que o senhor não comprou nenhuma dessas figmas? Duvido.(Ok, eu não comprei, mas é por que dinheiro está difícil, e tem as da Saber, e outras relacionadas a Fate e Evangelion...)

    ResponderExcluir
  4. Hahaha! Demais, Mazaki! Ri bastante.

    E concordo com o Pseudo-Cult sobre a parte da criação de letras. Porque sair cantando "um, dois, três, quarto, cin... ARROZ!!" é tão estranho (e grudento) quanto as onomatopéias do sertanejo universitário.

    E não acho todas as piadas fracas, "Jakka Jakka Jan" sempre me fará gargalhar. XD

    Parabéns pelo trabalho (Mazaki), estou ansiosa pelo próximo!

    ResponderExcluir
  5. Curti bastante o texto hahahaha (apesar de não gostar de K-on haha)

    ResponderExcluir
  6. Oi,
    Gostei bastante deste post, apesar de não gostar muito de K-On!, talvez por isso também, como eu sou burra, normalmente fico magoada quando vejo gente falando mal de algo que eu gosto.
    Bom, piadinhas a parte, nunca vi muito sentido no mangá (apesar do anime ter se baseado nele) de K-On, é como aquela parte estranha nos mangás da CLAMP que um personagem canta, os coadjuvantes (na maioria das vezes) ficam comentando como é belo, e você querido interlocutor, fica lá, perdido querendo imaginar a voz.
    Acho que algo bom para você comentar seria sobre os ''gêneros'' de personagens; yandere, tsundere, loli, etc... =)

    ResponderExcluir
  7. Discordo. E me ofendi.
    http://migre.me/aokoT

    ResponderExcluir
  8. Caras mas assim...
    Que texto sensacional! Eu poderia escrever algo assim! *----*
    Sim, estou lendo completamente atrasado, mas dane-se!
    Mazaki Diva, adorei isso! S2 S2 S2

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

UQ Holder - o novo mangá de Ken Akamatsu começa com tudo!

A estréia de UQ Holder, nova obra de Ken Akamatsu se deu no mês de agosto deste ano de 2013 e foi cercada de grande expectativa: desta vez o mangaká tinha a intenção clara de fazer um mangá de ação desde o princípio.
Talvez no Brasil o trabalho de Ken Akamatsu não seja tão reconhecido quanto poderia. Sua imagem é muito marcada pelos fanservices de Love Hina. Muitos sequer chegaram a ler sua obra seguinte e de maior sucesso comercial: Mahou Sensei Negima. O plot de um menino cercado de 31 garotas também ajudou a aprofundar o preconceito de leitores que (no meu ver pessoal) parecem valorizar demais a sexualidade nos mangás, esquecendo de analisar outros aspectos como a comédia, e, principalmente, a qualidade dos personagens.


Ken Akamatsu é um mestre em criar personagens cativantes e Negima foi um grande sucesso quando conseguiu mesclar a comédia, esses personagens apaixonantes e uma dose de ação crescente. Lutas muito bem desenhadas estão nas páginas da obra de forma cada vez mais cons…

Sobre o que fala Suzumiya Haruhi, afinal?

Suzumiya Haruhi é uma série de light novels que já conta com 10 volumes e o suspense se irão haver novas publicações ou não. A história ficou mais famosa quando se transformou em anime e então a franquia caiu no gosto do público otaku pelos seus clichês cômicos, personagens carismáticos e uma dancinha viciante para viralizar. Porém muitos acabam julgando que a obra não passa de um entretenimento barato para otakus e que não possui nenhuma mensagem intrínseca. O que é um erro e eu vou dizer o motivo:

Qualquer obra, por mais comercial e batida que seja, pode conter em si uma mensagem, talvez supérflua, talvez profunda, mas não é por causa de questões visuais ou estilísticas que deve ser ignorada essa possibilidade.

Vou citar um exemplo de conhecimento mais comum no mundo do entretenimento para deixar mais simples o entendimento.

Matrix, o filme de 1999, é uma história louca sobre pancadaria alucinada entre realidade e mundo digital? Bom, essa pode ser a cara do filme, com seus efeitos …

Comentários sobre Planetes v.1

Olá a todos!
Esse ano de 2015 tem sido muito bom para leitores de mangá que também são leitores de ficção-científica. Grandes anúncios como Akira e o relançamento de Eden (ambos pela Editora JBC) são alguns dos principais nomes desse momentos, mas outros títulos de peso também chegaram às bancas. Esse é o caso de Planetes, mangá de Mokoto Yukimura, autor também de Vinland Saga (ambos publicados pelo selo Planet Mangá, da Panini).
Comentários sobre a trama



Em um futuro próximo, onde o desenvolvimento da exploração espacial já torna possível a construção de estações e bases em alguns pontos do Sitema Solar, em Planetes acompanhamos a vida de Hoshino Hachirota (ou "Hachimaki", como lhe chamam), um jovem astronauta que tem uma das funções de menor glória: lixeiro espacial. Um trabalho exigente e necessário, mas que não é dos mais gratos.
Temos, além de  outros dois tripulantes na nave Toy Box: Yuri Mihairokov, um russo que tem um motivo bastante distinto. Além deles temos a pilo…