Pular para o conteúdo principal

[Análise] Porque o filme de K-On!! não foi tão bom assim?

Olá pessoal! Hoje trago a vocês uma análise sobre um acontecimento pessoal meu como fã que me fez levantar uma série de pensamentos analíticos que gostaria de compartilhar com vocês:

Por que, afinal, eu não gostei tanto assim do filme de Keion?

Esta postagem irá conter spoiler, pois vou fazer uma análise de alguns detalhes da narrativa do filme em questão, por tanto estejam avisados. (E quem não gosta de K-On! pode ir se despedindo também.... tchau!)

 Porque o filme de K-On!! não foi tão bom assim?



Já li algumas opiniões sobre o filme, as principais nos dois blogs parceiros, Gyabbo e Anikenkai. São bons textos para ter uma ideia geral da qualidade da obra, que é totalmente original (sem referências no mangá de onde vem a série de TV). 

Acredito que quem procura informações estes dois textos bastam. Aqui não vou repetir informações técnicas ou de "vale a pena ver" ou não. Vou entrar em detalhes, em minúcias. Afinal a questão toda aqui é que eu, que sou uma fangirl assumida da série de K-On!, do mangá, das antologias, das músicas e o que mais for, não consegui me agradar de todo do filme. E isso teve um motivo que eu demorei bastante a entender.

"Ah, Mazaki, você só não gostou porque viu o filme quando tava de TPM, admita!"

Bem que eu queria que isso fosse verdade. Afinal eu sou uma pessoa que já comprou 3 instrumentos musicais e escreveu por mais de 2 meses um total superior a 160 folhas de fanfictions por causa de K-On. Eu estava simplesmente com uma alta expectativa por este filme! Eu poderia ser capaz de gostar de qualquer coisa que viesse da KyoAni e, de fato, gostei.

Mas ainda assim tinha algo errado.

Muita cafeína no cérebro em um final de tarde acabou me levando a finalmente entender que não foi uma questão de birra minha. Existia sim um bom motivo e ele pode ser resumido em:

Eu esperava que o filme de K-On! fosse um bom filme.

"Mazaki, como sempre você não fez qualquer sentido!!!"

Eu já explico. Relaxa.

Entendendo a falha narrativa do filme de K-On!


Vamos começar do mais óbvio: K-On! The Movie é. . . um filme! (eu disse quer era óbvio) e, através dos trailers e imagens promocionais este filme passou a ideia de que falaria sobre a viagem das garotas da Houkago Tea Time à Londres. 

Um filme sobre uma viagem, ok.

O começo é um pouco demorado, mas não há de se estranhar isso em K-On! É o estilo da série, é como um slice-of-life deve parecer, mesmo no cinema. Junto com a introdução da viagem somos também apresentado ao outro (e traiçoeiro) segundo ponto de desenvolvimento da narrativa do filme: a composição da música que veio a ser Tenshi ni Fureta Yo.

Ok, a viagem inicia e todos nos sentimos finalmente embarcando numa experiência cinematográfica de entretenimento descompromissado. Algo como ir assistir Avengers e aleatoriamente começar uma sequência de porradaria entre os heróis que depois vão se ajudar. É nesse momento que o público pensa "é por isso que vim ao cinema!"  e entra de vez na brincadeira.

A viagem vai se desenvolvendo com todas as pequenas e divertidas bobagens das garotas, tudo em paralelo com os questionamentos de Yui sobre o presente para sua "koneko-chan". Alias, estes questionamentos renderam os momentos mais hilários e yuri-feelings do filme, um presente generoso para os fãs mais adoradores de K-On!, diga-se de passagem. 

Temos aqui durante a viagem também outra escolha no roteiro que impulsiona o clima cinematográfico da obra - o foco em Yui e Asuza. Esta é realmente uma minúcia, mas compare esta parte do filme com todas as passagens do anime e será fácil notar que K-On! procura sempre desenvolver bem as personagens num geral (ainda que na primeira temporada neglicenciasse um bocado a nossa tecladista favorita, Mugi-chan).

As coisas vão se passando ainda no clima bem cotidiano. Mesmo num país distante as coisas continuam acontecendo de maneira divertida e hiper-sortuda para nossas personagens. Afinal, ninguém quer ver um drama, mesmo estando no cinema.  (Pensem nisso, poderiam haver suicídios de fãs! Eu mesma poderia não estar escrevendo este texto agora!)

Brincadeiras à parte, o tão conveniente show em um pequeno festival que a banda consegue de última hora é um presente que já vai mostrando ao expectador, junto com o pôr-do-sol que logo sobrevêm no parque onde se realizava tal evento, que estávamos nos aproximando do fim daquela aventura internacional. Sim, logo a HTT voltaria a seu mundinho ainda sendo as mesmas pessoas felizes de sempre, mas todos ficariam felizes e com um sentimento de satisfação enorme pela experiência.

E é isso. Fim do filme. Ou assim deveria ter sido. Ou assim eu esperava que tivesse sido!!

Só que não foi isso o que aconteceu. Elas voltaram ao Japão, o tempo foi passando, as cenas foram se estendendo. Sim, ainda era preciso desenvolver a história de Tenshi ni Fureta Yo.

Só que, a esta altura, eu já estava mesmo acreditando que estava vendo um filme e aquela total quebra de "característica cinematográfica" me aturdiu por completo. Parecia que o filme tinha se encerrado e estávamos agora vendo a novos episódios da série de TV de K-On!, ainda que a qualidade de animação conseguisse ser estupidamente ainda melhor do que a referida série.

E isso é ruim? Será que esse desenvolvimento do último terço do filme foi ruim? De jeito nenhum! Só que esse "arco" quebrou por completo da minha percepção do filme.

Me peguei mais de uma vez pensando "por que os créditos ainda não subiram?" e não porque estivesse ruim (tá, eu achei que não precisava repetir a cena de Tenshi ni Fureta Yo mesmo), mas estava errado para um filme!

Eu confesso que sou uma pseudo-cult adoradora de estruturas narrativas, termos de jornada do herói, termos de roteirismo e quaisquer dessas coisas que boa parte do público comum nem sabe que existe, mas eu não estava tentando ver as coisas desse modo quando assisti ao filme. Tanto é que só entendi realmente os motivos da minha reação meses depois.

Será que fui uma das raríssimas exceções dentro dos fãs que apenas deliraram, ou meramente acharam um bom fechamento (espero que permanente) para a lucrativa franquia? Provavelmente sim, mas acho válido expor que mesmo opiniões positivas podem ter ressalvas inesperadas.

Conclusão



Eu gostei do filme de K-On! Não tanto quanto achei que gostaria, mas sim, eu me diverti muito assistindo e ainda preciso rever "de novo, de novo" para poder apreciar em mais detalhes todas as gracinhas das personagens individualmente (apesar desse anime ser muito Yui-Asuza, ainda tenho que absorver todas as nuances da querida Mugi-chan!!!). Como "fechamento" para uma franquia de tanta repercussão foi perfeito. Como a coroação final de um vencedor de ponta a ponta do campeonato foi excepcional (momento de comparações estranhas).

MAS, como filme, K-On!! teve sim suas falhas. Não há como saber se seria ainda melhor se tivesse tido uma estrutura de filme por completo, apenas pode-se conjecturar à respeito. Não sou do tipo que prefere gostar de uma obra apenas pelo lado bom, nem mesmo quando sou fangirl.

Acontece, erros pequenos não estragam uma franquia. Só nunca inventem de fazer a terceira temporada, KyoAni.


Comentários

  1. Saudações


    Mazaki, confesso que seu texto me fez pensar um tanto aqui sobre o filme de K-ON! que, para mim, teve uma impressão final melhor que a sua...

    Sim, restringiste as ações de seus textos sobre as peculariedades da narrativa da obra, o que é bem-vindo. Mas devo aqui confessar que não senti tão distante com o final do filme (ou com seus minutos pós-retorno ao Japão).

    De fato, o filme até poderia ter terminado quando elas embarcaram para o Japão. Mas ficou uma ponta solta... Não seria inadmissível ela ficar sem uma pronta resposta, mas a trataram bem na obra em questão.

    Procuro analisar que assim foi melhor, sabe... Assisti ao filme imaginando o que viria pela frente, de acordo com todo o histórico da obra. E o resultado final esteve dentro das minhas expectativas. Longe de ser o melhor do ano na categoria, o filme de K-ON! me fez sorrir em diversas oportunidades, mesmo com esta "quebra" ao final do mesmo.

    No mais, um ótimo texto de sua parte, Mazaki.^^ Serve perfeitamente como um tipo de "troca de ideias" para análises mais profundas sobre a obra como u todo.


    Até mais!

    ResponderExcluir
  2. "ainda tenho que absorver todas as nuances da querida Mugi-chan!!!"

    Mazaki e sua tara por loiras peitudas! XDDD

    Eu adorei o filme, principalmente pelo foco no AzuYui. Always, Azusa and Yui. Compartilho da crítica, mas não desgostei da estrutura de série de tv trabalhada no filme, acabou nem me incomodando. Mas eu espero mais 1 ou 2 longas (XDDD) pra fechar, um deles com foco em Mitsu, the most hot couple from K-ON!. AzuYui é doce, Mitsu é apimentado kekekekeke

    E poderiam encerrar com as meninas formadas, tocando no Nippon Budokan. Acho que envelhecerei amarga se aquilo que elas disseram na segunda temporada nunca se realizar. Quero vê-las no Bukan POHÁÁÁÁÁÁ Õ_Ó

    ResponderExcluir
  3. Olá!!

    Mesmo que eu só tenha assistido à primeira temporada de K-on acho o anime muito fofo!!

    Acredito que os produtores devem ter feito isso para mostrar a vida delas depois do show... Só que acredito que não tenha saído como deveria!!

    Espero em breve poder assistir à segunda temporada e ao filme.

    Até mais!!

    ResponderExcluir
  4. Bem, Mazaki-san, apesar de concordar que foi uma quebra na estrutura de filme (eu também fiquei com a sensação de que subiriam créditos durante o retorno ao Japão...), isso não diminuiu minha experiência.
    De fato, achei até interessante essa parte final, com elas de volta, dá vasão para mais coisas, e como a Roberta-chan disse, seria triste se elas nunca tocarem no Nippon Budokan, mesmo que só uma participação breve. Mas também não gostaria de uma terceira temporada, acho que mais um longa talvez.
    E quem não quer ver as nuances da Mugi-chan? Ela é um amor...

    ResponderExcluir
  5. Ah para de mimimi que o filme foi maneiro sim :v
    Cê tá é se vingando por que não teve season 3

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

UQ Holder - o novo mangá de Ken Akamatsu começa com tudo!

A estréia de UQ Holder, nova obra de Ken Akamatsu se deu no mês de agosto deste ano de 2013 e foi cercada de grande expectativa: desta vez o mangaká tinha a intenção clara de fazer um mangá de ação desde o princípio.
Talvez no Brasil o trabalho de Ken Akamatsu não seja tão reconhecido quanto poderia. Sua imagem é muito marcada pelos fanservices de Love Hina. Muitos sequer chegaram a ler sua obra seguinte e de maior sucesso comercial: Mahou Sensei Negima. O plot de um menino cercado de 31 garotas também ajudou a aprofundar o preconceito de leitores que (no meu ver pessoal) parecem valorizar demais a sexualidade nos mangás, esquecendo de analisar outros aspectos como a comédia, e, principalmente, a qualidade dos personagens.


Ken Akamatsu é um mestre em criar personagens cativantes e Negima foi um grande sucesso quando conseguiu mesclar a comédia, esses personagens apaixonantes e uma dose de ação crescente. Lutas muito bem desenhadas estão nas páginas da obra de forma cada vez mais cons…

Sobre o que fala Suzumiya Haruhi, afinal?

Suzumiya Haruhi é uma série de light novels que já conta com 10 volumes e o suspense se irão haver novas publicações ou não. A história ficou mais famosa quando se transformou em anime e então a franquia caiu no gosto do público otaku pelos seus clichês cômicos, personagens carismáticos e uma dancinha viciante para viralizar. Porém muitos acabam julgando que a obra não passa de um entretenimento barato para otakus e que não possui nenhuma mensagem intrínseca. O que é um erro e eu vou dizer o motivo:

Qualquer obra, por mais comercial e batida que seja, pode conter em si uma mensagem, talvez supérflua, talvez profunda, mas não é por causa de questões visuais ou estilísticas que deve ser ignorada essa possibilidade.

Vou citar um exemplo de conhecimento mais comum no mundo do entretenimento para deixar mais simples o entendimento.

Matrix, o filme de 1999, é uma história louca sobre pancadaria alucinada entre realidade e mundo digital? Bom, essa pode ser a cara do filme, com seus efeitos …

Comentários sobre Planetes v.1

Olá a todos!
Esse ano de 2015 tem sido muito bom para leitores de mangá que também são leitores de ficção-científica. Grandes anúncios como Akira e o relançamento de Eden (ambos pela Editora JBC) são alguns dos principais nomes desse momentos, mas outros títulos de peso também chegaram às bancas. Esse é o caso de Planetes, mangá de Mokoto Yukimura, autor também de Vinland Saga (ambos publicados pelo selo Planet Mangá, da Panini).
Comentários sobre a trama



Em um futuro próximo, onde o desenvolvimento da exploração espacial já torna possível a construção de estações e bases em alguns pontos do Sitema Solar, em Planetes acompanhamos a vida de Hoshino Hachirota (ou "Hachimaki", como lhe chamam), um jovem astronauta que tem uma das funções de menor glória: lixeiro espacial. Um trabalho exigente e necessário, mas que não é dos mais gratos.
Temos, além de  outros dois tripulantes na nave Toy Box: Yuri Mihairokov, um russo que tem um motivo bastante distinto. Além deles temos a pilo…