Pular para o conteúdo principal

[Reflexão] Nem todo fã é igual

Olá a todos! O "fandom" é um tema ao qual sempre acabo voltando aqui no blog, seja com conteúdo direcionado a algum dos fandoms específicos nos quais estou envolvida (K-On!, Madoka Magica ou Shoujo-ai) ou para vir refletir (e criticar) o comportamento existente dentro dessa massa tão diversa dos fãs. Hoje vou abordar um ponto específico, uma análise (generalista, admito) que em grande parte cabe perfeitamente às duas situações propostas. Vou explicar:

Existem dois grandes grupos dentro do(s) fandom(s): os fãs ativos e os fãs passivos.

Mas antes que você comece a tentar comparar isto com alguma forma de yaoi vou explicar o que exatamente estou querendo dizer.

O Fã Passivo

Este é aquele que simplesmente consome o conteúdo. O máximo que se espera de um fã realmente passivo é que ele use alguns neurônios para formular frases como "A casa é bonita. O anime J.C.Staff é feio". Talvez eu seja um pouco grosseira analisando desta forma, mas opinião não é um fanwork. Manter um site ativo com artigos de opinião pode até ser considerado sim um fanwork (não do tipo que eu ache mais honeroso, mas isso é outro assunto), mas abrir as redes sociais para tecer comentários de elogio ou desprezo a séries não é de todo um trabalho de fã.

Este tipo aqui é, infelizmente o mais comum dentro dos fandoms brasileiros. Apenas compramos, apenas lemos, apenas baixamos, apenas assistimos. Não se cria nada a partir disto. Minha grande birra com este fandom é o fato de que, em grande parte das vezes, este não dá valor ao que é feito "do outro lado da história", que são os fãs que vou falar a seguir.

O Fã Ativo

Ilustrações, cosplay, doujinshi, fanfiction, game indie, AMV, MAD, manter fansite dedicado ao tema, manter fórum dedicado ao tema. . . todas essas coisas são fanwork. Em todos estes contextos alguma coisa está sendo produzida derivando-se de alguma coisa. Mesmo quem só posta fanarts feitos diretamente observando desenhos originais no Deviant está contribuindo de alguma forma para o seu nicho.

Acho que essa é a palavra que define o fã ativo: CONTRIBUIÇÃO. Pois, ao escrever um artigo elaborado (com pesquisas, análises e levantamento de dados sobre a obra), um fanfiction que explora a personalidade dos personagens ao limite, ilustrações inspiradas, ou compor músicas baseadas na OST, isso de alguma maneira contribui para o conhecimento daquele nicho específico.

Sim, o fã ativo trabalha normalmente para "o nicho do nicho" e não se importa por isto, porque afinal seu objetivo primário é tornar real aquela aspiração que sua leitura (ou seu ato de assistir a uma série) lhe causou.

Existe uma infinidades de graus em que os fãs ativos trabalham. Desde aqueles que fazem uma tirinha com uma série, até aqueles que mantém grandes wikis do assunto, ou CRIAM um novo nicho dentro do existente (o que é Touhou senão a máxima disto?).



É triste pensar que, na grande maioria das vezes, um fã deste tipo, aqui no Brasil, senão for trabalhar com scans, fansubs ou similares acaba tendo que trabalhar com a comunidade em inglês (porque a comunidade japonesa é mais difícil de alcançar pela dificuldade linguística, certo?). Não acredito que isso se deva ao fato de que existem poucos "fãs ativos" no nosso país e idioma, mas sim por outros fatores, como a falta de um veículo mais fácil destes se reunirem (um país com proporções como o nosso dificulta encontros físicos entre pessoas com os mesmos interesses) ou a própria auto-censura que muitos se aplicam de modo prematuro.

Vou explicar melhor. Muitos fãs de mangá/anime (até eu e você, provavelmente) começaram a desbravar este mundo e logo quiseram fazer seus próprios desenhos, seus "dragon ball" seus "narutos", quem sabe até depois criar seus próprios heróis. Mas logo muitos desistem (falando literalmente) pelo fato de acreditar que jamais desenharão tão bem quanto o seu autor favorito, ou que não vale a pena, pois ninguém vai olhar seus trabalhos mesmo.

Abrindo um parêntese, dá pra comparar bem com o que acontece na literatura, onde muitos daqueles que acabam se tornando CRÍTICOS são na verdade escritores que decidiram que era trabalhoso demais escrever e ficaram acomodados apenas analisando o trabalho dos outros como grandes entendedores. Acredito que este fenômeno seja o mesmo dentro do mundo do mangá/anime.

Então, aqueles que "resistem à corrente" e continuam persistindo em seus fanworks são realmente poucos, e muitas vezes são os que ambicionam se profissionalizar pra valer no futuro, dentro destas áreas. Muitos diriam que são os mais teimosos ou iludidos. Bom, a minha opinião não nada imparcial sobre isto, então melhor ir para o próximo ponto.

Precisamos valorizar os "trabalhos de fã". Sim, este é o ponto-chave que me faz escrever este texto. Não que devamos valorizar um fanfiction lemon de naruto, até porque nem em 50 tons diferentes isso teria qualquer valor a não ser o entretenimento futil de um grupo. Mas estou dizendo que não deveríamos manter os olhos fechados para os que realmente tentam algo um pouco mais elaborado.

Não deveríamos nos privar de fazer algo assim só pelo fato de achar que "não vale a pena", "não vou ser colocado um pedestal pelo meu esforço" e outras coisas similares. (Talvez vocês saibam que o livrinho que anda fazendo sucesso, chamado "50 Tons de Cinza" começou como um fanfiction da série Twilight. Um bom exemplo, desconsiderando a qualidade das obras em si).

Afinal, mais vale um fanzineiro fazendo fanzines de alta qualidade do que um fanzineiro se achando super profissional e querendo "acontecer" quando ainda deveria estar ali treinando com uns doujins pra entender como se faz mangá.

A última coisa que eu gostaria de deixar nesta reflexão é: Fanwork, não é sinônimo de trabalho mal feito. Pensem nisto.

Até a próxima!

PS: Se você acha que esse foi um texto muito de uma garotinha amante das produções indies que se acha muito marota por fazer parte dos fãs ativos. . . Bom, não vou negar. Bjs.

Comentários

  1. Saudações


    Acredito que o fandom brasileiro seja muito mais passivo do que ativo por fatores próprios, que vão muito além da cultura local, amiga Mazaki.

    Como um exemplar vivo (isso me dói às vezes) da geração anos 80/90 do fandom, posso te assegurar que tal porcentagem já foi muito mais larga à favor da "passividade" entre os fãs pois, de uns 10 anos para cá, tal cenário tem mudado neste sentido e os conhecido fandom mais presente no meio tem aparecido mais.

    Entretanto, como no próprio fandom (falando exclusivamente do brasileiro) há muita intriga interna e falta de orientação, então o surgimento de subdivisões no mesmo acaba sendo uma triste realidade. Não vou entrar em tópicos como o preconceito interno pois não há, aqui, a necessidade de se bater em tão conhecida tecla, mas garanto-lhe que este é um dos grandes problemas atuais do fandom brasileiro.

    O pessoal tem medo de expor uma simples opinião contrária à um Saint Seiya da vida, por exemplo. Prefere não se arriscar ao desenvolver suas histórias sobre séries tão queridas e também não buscar novos horizontes justamente por causa de tal receio que acaba acomodando à todos (maioria).

    É claro que, atualmente, tem aparecido mais trabalhos interessantes do fandom e isso não se merece negar. Mas ao mesmo tempo estamos vivenciando um [mundo novo], onde o [pseudo politicamente correto] começa a reinar com força e muitos fandons estão sentindo, na pele, o poderio do mesmo.

    Mesmo os mais "passivos" começam a articular as suas investidas em outras características do fandom por ti citadas, Mazaki. Isto é digno o bastante de elogios e daquelas chamadas de "siga adiante" com força e vigor. O interessante está em justamente saber até aonde poderá ir tal vontade destas pessoas, não concorda? Ou melhor: até aonde elas podem se sentir encorajadas para tanto...

    Bom, a minha perspectiva é bem positiva. Mas há sérias ressalvas sobre a mesma.

    Um texto que deveria ser lido por mais pessoas este o seu, Mazaki. Ao menos, para a criação de novas ideias e de perspectivas sobre o fandom em si.

    Ótimo trabalho.^^


    Até mais!

    ResponderExcluir
  2. Bem, o amigo Carlírio já disse muito do que eu pretendi dizer, então ressaltarei um ponto, essa frase aqui:

    "Fanwork, não é sinônimo de trabalho mal feito"

    Essa é a crítica mais comum aos fanwork, infelizmente. Canso de ver, em sites e fóruns, coisas como "não vale a pena, é feito por fã" ou "fanwork é uma merda", isso para não citar as críticas aos fansubs (mas estas nem sempre são apenas preconceito...)
    Já vi muitos fanworks muito bem feitos, já li fanfics ótimas, que deixam pouco ou nada a desejar ao original (Mazaki-san está ai para provar). Minha experiência com fanwork me mostra que sim, há muito material de qualidade para ser aproveitado. Então, por quê essa atitude tão contrária?
    Parece-me que simplesmente foi decidido por um coletivo que "feito por fãs" não presta, e os fãs aceitaram, e ponto, pois não a base lógica para essa atitude. Verdade que há muitos trabalhos mal-feitos e desagradáveis, mas são a maioria? Será que é tão difícil assim encontrar algo que preste nesse nicho?
    Veja o exemplo citado no texto da Mazaki-san: "50 tons de Cinza", considerado o Best-Seller do século, e começou como fanfic.(Não entrarei nos méritos da obra, pois não a li...). Isso não mostra que é sim possível fazer fanwork de qualidade?
    Um outro bom exemplo são as fanarts, que por vezes são melhores que as originais. Sim, desenhos de fãs da obra que são mais bonitos e bem trabalhados que os originais, e não são poucos. Basta uma pesquisa rápida por fanarts de alguma série, e aparecerão diversos níveis de qualidade, desde os mais toscos aos mais belos, uma variedade enorme de coisas. E com doujinshis e fanfics não é diferente. Pode-se encontrar maravilhas que sejam mais interessantes de acompanhar que o original, ou trabalhos sem valor algum, apenas uma tentativa de um fã de imitar seu autor/desenhista predileto.
    Esse preconceito é algo realmente estranho, e argumentar que fanwork é ruim merece ser rebatido com uma simples pergunta: tudo que é "profissional" é bom? Você gosta de tudo que é feito por profissionais, ou há obras originais que te desagradam? Obviamente, nem tudo que é "oficial" é bom, e mesmo autores reverenciados podem escrever/desenhar coisas que não caiam no gosto de seu público, enquanto um fã do mesmo pode criar algo de qualidade...
    Mas será que esse fã tem coragem de exibir seu trabalho? Ele pode sentir essa coragem, mesmo sendo críticado, muitas vezes por pessoas que nem olham o trabalho dele, e apenas criticam por ser "de um fã"?

    Talvez, bons autores estejam se perdendo, apenas por não terem incentivo e motivação.

    Bom, é só um ponto a ressaltar, como eu disse. E o mais degradante é que, os mesmos que criticam os fanworks, são, muitas vezes, os que reclamam da falta de produção nacional original.
    Apedrejo-te agora, e depois exijo que me ofereças teu trabalho? Muito estranho esse pessoal...

    ResponderExcluir
  3. Hum, cometi uns errinhos aqui e ali, mas creio estar compreensível, não? É muito extenso para fazer retíficas aqui...

    Ótimo texto, Mazaki-san, simplesmente.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

UQ Holder - o novo mangá de Ken Akamatsu começa com tudo!

A estréia de UQ Holder, nova obra de Ken Akamatsu se deu no mês de agosto deste ano de 2013 e foi cercada de grande expectativa: desta vez o mangaká tinha a intenção clara de fazer um mangá de ação desde o princípio.
Talvez no Brasil o trabalho de Ken Akamatsu não seja tão reconhecido quanto poderia. Sua imagem é muito marcada pelos fanservices de Love Hina. Muitos sequer chegaram a ler sua obra seguinte e de maior sucesso comercial: Mahou Sensei Negima. O plot de um menino cercado de 31 garotas também ajudou a aprofundar o preconceito de leitores que (no meu ver pessoal) parecem valorizar demais a sexualidade nos mangás, esquecendo de analisar outros aspectos como a comédia, e, principalmente, a qualidade dos personagens.


Ken Akamatsu é um mestre em criar personagens cativantes e Negima foi um grande sucesso quando conseguiu mesclar a comédia, esses personagens apaixonantes e uma dose de ação crescente. Lutas muito bem desenhadas estão nas páginas da obra de forma cada vez mais cons…

Sobre o que fala Suzumiya Haruhi, afinal?

Suzumiya Haruhi é uma série de light novels que já conta com 10 volumes e o suspense se irão haver novas publicações ou não. A história ficou mais famosa quando se transformou em anime e então a franquia caiu no gosto do público otaku pelos seus clichês cômicos, personagens carismáticos e uma dancinha viciante para viralizar. Porém muitos acabam julgando que a obra não passa de um entretenimento barato para otakus e que não possui nenhuma mensagem intrínseca. O que é um erro e eu vou dizer o motivo:

Qualquer obra, por mais comercial e batida que seja, pode conter em si uma mensagem, talvez supérflua, talvez profunda, mas não é por causa de questões visuais ou estilísticas que deve ser ignorada essa possibilidade.

Vou citar um exemplo de conhecimento mais comum no mundo do entretenimento para deixar mais simples o entendimento.

Matrix, o filme de 1999, é uma história louca sobre pancadaria alucinada entre realidade e mundo digital? Bom, essa pode ser a cara do filme, com seus efeitos …

Comentários sobre Planetes v.1

Olá a todos!
Esse ano de 2015 tem sido muito bom para leitores de mangá que também são leitores de ficção-científica. Grandes anúncios como Akira e o relançamento de Eden (ambos pela Editora JBC) são alguns dos principais nomes desse momentos, mas outros títulos de peso também chegaram às bancas. Esse é o caso de Planetes, mangá de Mokoto Yukimura, autor também de Vinland Saga (ambos publicados pelo selo Planet Mangá, da Panini).
Comentários sobre a trama



Em um futuro próximo, onde o desenvolvimento da exploração espacial já torna possível a construção de estações e bases em alguns pontos do Sitema Solar, em Planetes acompanhamos a vida de Hoshino Hachirota (ou "Hachimaki", como lhe chamam), um jovem astronauta que tem uma das funções de menor glória: lixeiro espacial. Um trabalho exigente e necessário, mas que não é dos mais gratos.
Temos, além de  outros dois tripulantes na nave Toy Box: Yuri Mihairokov, um russo que tem um motivo bastante distinto. Além deles temos a pilo…